Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Escolhas & Percursos

...espaço de discussão, de formação, de cultura, de curiosidades, de interacção. Poderemos estar mais próximos. Deus seja a nossa Esperança e a nossa Alegria...

Escolhas & Percursos

...espaço de discussão, de formação, de cultura, de curiosidades, de interacção. Poderemos estar mais próximos. Deus seja a nossa Esperança e a nossa Alegria...

03.11.18

Amarás o Senhor teu Deus com todo o teu coração... .e ao teu próximo como a ti mesmo.

mpgpadre

1 – Quem de entre vós quiser ser o primeiro seja o último e o servo de todos. Nos últimos domingos fomos vendo como Jesus prepara os Seus discípulos para viverem segundo o sonho de Deus, no Reino que Ele, Filho bem-Amado do Pai, veio inaugurar com a Sua vida, morte e ressurreição. Ele, que era de condição divina, fez-Se um de nós, da mesma carne que nós, frágil e finito no tempo, comungando os nossos sofrimentos, carregando sobre Si os nossos pecados, aliviando a nossa carga. Veio como Quem serve, dando a vida, gastando-Se por inteiro, a favor da humanidade inteira, a nosso favor.

Com efeito, relembra-nos a Epístola aos Hebreus, Ele é o Sumo Sacerdote que nos convinha: «santo, inocente, sem mancha, separado dos pecadores e elevado acima dos céus, que não tem necessidade, como os sumos sacerdotes, de oferecer cada dia sacrifícios, primeiro pelos seus próprios pecados, depois pelos pecados do povo, porque o fez de uma vez para sempre quando Se ofereceu a Si mesmo». Partilhando da nossa fragilidade humana, "revestido de fraqueza" pôde e pode compadecer-Se de nós, e oferecer-Se para nos redimir, elevando-nos para Deus e, ao mesmo tempo, deixando-nos o exemplo, para que assim como Ele fez, façamos nós também. É a nossa condição de discípulos missionários. Estabelecido, pela ressurreição, Sacerdote perfeito, à direita do Pai, continua a atrair-nos para a glória de Deus.

A lógica é a do amor e do serviço, vislumbrada nos mandamentos, que valem como orientação, como desafio, no compromisso com os outros, sob o olhar e a bênção de Deus, dando-Lhe prioridade.

Mc 12,28-34 f.jpg

2 – As perguntas a Jesus permitem clarificar dúvidas ou incentivar a viver na dinâmica dos mandamentos. Um escriba aproxima-se e pergunta-Lhe: «Qual é o primeiro de todos os mandamentos?».

O escriba sabia qual o primeiro mandamento, proclamado, desde tenra idade, em forma de oração e como profissão de fé. Perguntando-o em voz alta permite que outros ouçam a pergunta e sejam envolvidos na resposta. É como numa sala de aula, alguém faz uma pergunta, por exemplo, no decorrer de um teste, e todos têm a possibilidade de perceber melhor a pergunta e intuir a resposta!

«Escuta, Israel: O Senhor nosso Deus é o único Senhor. Amarás o Senhor teu Deus com todo o teu coração, com toda a tua alma, com todo o teu entendimento e com todas as tuas forças». É primeiro mandamento e que prevalece sobre os demais, iluminando-os, não permitindo a sua instrumentalização, pois a Deus se prestará contas por todo o mal que se fizer, pelo bem que deixar de se fazer e em Deus serão abençoados todos os que sirvam o seu semelhante.

Logo Jesus acrescenta um segundo mandamento agrafado ao primeiro: «Amarás o teu próximo como a ti mesmo». E conclui, dizendo que "não há nenhum mandamento maior que estes".

Jesus faz com que não nos possamos desculpar ou justificar por só darmos importância a um dos mandamentos, o amor a Deus ou o amor ao próximo. Na verdade, quem ama a Deus terá que amar o que Deus ama, ora se Deus nos criou por amor e nos ama ao ponto de nos dar o Seu Filho primogénito, nós, tu e eu, não podemos de deixar de amar a criação de Deus, sobretudo a Sua obra-prima, o ser humano. Seria um absurdo. Uma contradição. Um contrassenso. Vale também para todas as relações humanas. Não podemos dar-nos bem com uma pessoa (adulta) e depois dizermos mal ou darmo-nos mal com os seus filhos. E obviamente, quem ama os filhos também granjeia a estima dos pais. "Quem meus filhos beija minha boca adoça".

 

3 – Depois das palavras de Jesus, o escriba conclui: «Muito bem, Mestre! Tens razão quando dizes: Deus é único e não há outro além d’Ele. Amá-l’O com todo o coração, com toda a inteligência e com todas as forças, e amar o próximo como a si mesmo, vale mais do que todos os holocaustos e sacrifícios». É relevante o escriba confrontar o amor com os holocaustos e sacrifícios, na linha dos profetas e na linha de Jesus. Por sua vez, Jesus, vendo a resposta inteligente, aponta o caminho: «Não estás longe do reino de Deus».

____________________________________________________________________________________________

Textos para a Eucaristia (ano C): Deut 6, 2-6; Sl 17 (18); Hebr 7, 23-28; Mc 12, 28b-34.

 

REFLEXÃO DOMINICAL COMPLETA na página da Paróquia de Tabuaço

05.05.18

«Como o Pai Me amou, também Eu vos amei»

mpgpadre

1 – «Ninguém tem maior amor do que aquele que dá a vida pelos amigos». Não há maior amor que o amor de Mãe. Duas afirmações lapidares que que facilmente se conjugam. O verdadeiro amigo é capaz de renunciar a muito para salvaguardar a amizade ou para ver o amigo feliz. Dar a vida por alguém faz-nos situar num nível superior. Assim é também o amor de Mãe, que, ao longo da vida e em todos os momentos, está predisposta a lutar pelos filhos, a gastar-se por inteiro, a fazer tudo para que os filhos não sofram e tenham direito a usufruir de todas as bênçãos, de todos os direitos e garantias! Quantos de nós já presenciaram Mães a fazer-se ouvir, alto e bom som, em defesa dos filhos, sem olhar para quem está a observar ou a murmurar ou a quem se dirigem?

A cumplicidade começa no ventre materno. Nove meses (ou perto disso), em que duas vidas interagem; dois corações que batem perto um do outro; dois mundos, um por dentro do outro; o medo e a esperança; a pressa e a paciência; os sonhos e as angústias! A Mãe é-o muito antes de o ser, de o ser visivelmente para o mundo! E, depois, é a vida toda: o nascimento, os primeiros gestos, sorrisos, a primeira palavra, o gatinhar e o começar a andar, o crescimento, a adolescência, a juventude, a autonomia, o sair de casa... E, por outro lado, as dificuldades, as noites por dormir, a angústia de fazer alguma coisa errada, não saber cuidar, ou não estar à altura das exigências do filho e do tempo; as alternativas para a educação, o contacto com outros mundos; as primeiras lágrimas, a primeira queda ou a primeira ferida; as birras, a incompreensão, a autonomia crescente, as diferenças que se sublinham; o isolamento do filho ou os caminhos tortuosos por onde está a enveredar ou por onde pode ir...

É um amor para a vida toda. É uma vida toda em que facilmente a Mãe (e o Pai) se esquece de viver a própria vida para viver em função do/s filho/s, das suas necessidades e dos seus anseios, dos seus projetos. Eles crescem! Saem de casa! O ninho fica vazio! Mas a ligação permanece! E hoje, com os telemóveis e com as tecnologias de informação e com as redes sociais, a ligação é ainda mais permanente. E filhos criados, tantas vezes, trabalhos dobrados!

jesus-christ-at-the-last-supper.jpg

2 – O ambiente familiar é essencial na conceção que temos da vida e da saúde nas relações com os outros. Visualiza-se assim o amor vivido na Sagrada Família de Nazaré, mesmo com as dificuldades inerentes naquela época, nomeadamente quanto à sobrevivência, com uma elevada exigência de trabalho e de sacrifício, e de entreajuda dentro da família e com os vizinhos!

«Como o Pai Me amou, também Eu vos amei»! Jesus tem uma relação privilegiada com o Pai, uma intimidade que transparece para os discípulos e para as multidões. Retira-Se e refugia-Se para orar. Eu e o Pai somos Um! Quem Me vê, vê o Pai! Ninguém vai ao Pai senão por Mim! O Meu Pai trabalha em todo o tempo e Eu também trabalho! Sem secundarizar esta relação espiritual-sobrenatural, entrevê-se a relação com São José e com Nossa Senhora.

«Permanecei no meu amor. Se guardardes os meus mandamentos, permanecereis no meu amor, assim como Eu tenho guardado os mandamentos de meu Pai e permaneço no seu amor». Por certo já o ouvimos ao nosso Pai ou à nossa Mãe: és lindo se fizeres o que te estou a pedir! Traduzindo, verás mais facilmente o meu amor por ti, a minha alegria, se guardares o que te digo! Guardar é cumprir, viver, concretizar no dia-a-dia! Pois dessa forma, irás por um caminho que te fará bem e te fará feliz. E se tu estás bem, o teu Pai e a tua Mãe vão estar felizes.


Textos para a Eucaristia (B): Atos 10, 25-26. 34-35. 44-48; Sl 97 (98); 1 Jo 4, 7-10; Jo 15, 9-17.

28.10.17

Mestre, qual é o maior mandamento da Lei?

mpgpadre

1 – Um doutor da Lei aproxima-se de Jesus. O propósito é experimentá-l'O, testar os Seus conhecimentos, ver se O apanha em contradição e, dessa forma, expô-l'O diante dos discípulos e perante as multidões. Saduceus, fariseus, herodianos, doutores da Lei, autoridades judaicas encontram em Jesus um inimigo comum. Não é que Jesus lhes tenha feito mal, pelo menos diretamente, mas o Seu saber, o Seu dizer e o Seu fazer, o Seu modo de agir, de Se aproximar, de Se dar, o modo de conviver com todos, especialmente com os mais desfavorecidos, provoca ciúme, ódio, inveja. Ele é LUZ que ilumina as trevas e que expõe os corações de todos. Se vivermos nas trevas qualquer lampejo de luz nos magoa a vista. Se nos habituarmos a viver a meia-luz, uma luz mais diurna vai-nos fazer perceber que afinal estávamos mais nas trevas que na luz.

É essa a alegoria da caverna de Platão. Dentro da caverna, pessoas voltadas para o interior, habituam-se a viver na escuridão. A luz do exterior projeta sombras de uma realidade alternativa a evitar. Há que permanecer no interior, mantendo tudo como está.

The Chief Priests Ask Jesus  (Les princes des prê

 2 – Jesus é seguido por multidões de pessoas sobretudo simples. Daí a ardilosidade das classes dirigentes, para não criar anticorpos entre o povo, de quem procura a simpatia. Víamos a tramoia da semana passado sobre os impostos para o império romano. Hoje a pergunta parece mais óbvia, menos dada a polémicas. O âmbito é diferente, pois fixa-se na religião e na lei mosaica. «Mestre, qual é o maior mandamento da Lei?».

No judaísmo, entre grupos mais religiosos judaicos havia várias discussões sobre os mandamentos. Com o passar do tempo, os 10 Mandamentos foram multiplicados até ao número de 613 preceitos, divididos em 248 prescrições (248 corresponderiam aos ossos do corpo humano) e 365 proibições (365 correspondem aos dias que o ano tem). Vê-se desta forma o simbolismo no número de preceitos, mas também o facto que tantas minudências baralharem a vida das pessoas do povo. A resposta de Jesus é expectável, mostrando que conhece as Escrituras: «Amarás o Senhor teu Deus com todo o teu coração, com toda a tua alma e com todo o teu espírito». Deus é a primeira referência e todos os mandamentos são decorrentes da ligação de Deus com a humanidade. Amar a Deus de todo o coração e com todas as forças é o primeiro e o maior mandamento.

 

3 – Jesus acrescenta um segundo mandamento semelhante ao primeiro: «Amarás o teu próximo como a ti mesmo». E conclui: «Nestes dois mandamentos se resumem toda a Lei e os Profetas».

A verticalidade exige a horizontalidade. Voltar-se para Deus sem os outros seria esquecer que Ele é Deus de todos e para todos. Só mesmo fundamentalismos estupidificantes para defender uma religião sem os outros, que seria tão nefasta como uma religião sem Deus, meramente sociológica, sem horizonte de futuro, sem saída, e com o risco de alguém ocupar o lugar de Deus, como infelizmente aconteceu no passado e acontece em muitos movimentos religiosos.

O diálogo poderia continuar, como na versão lucana (Lc 10, 25-37) em que o Doutor da Lei, reconhecendo a justeza e honestidade da resposta, insiste a perguntar a Jesus: quem é o meu próximo? Nessa ocasião, Jesus apresenta a belíssima parábola do Bom Samaritano. Próximos são todos os que precisam de ajuda, mas o importante é se eu me faço próximo de quem precisa, se me aproximo para ver e para ajudar, para levantar a pessoa que se encontra prostrada. Daí o desafio de Jesus, assumido pela nossa diocese de Lamego: Vai, e faz tu também do mesmo modo.


Textos para a Eucaristia (ano A): Is 45, 1. 4-6; Sl 95 (96); 1 Tes 1, 1-5b; Mt 22, 15-21.

23.04.16

Como Eu vos amei, amai-vos também uns aos outros

mpgpadre

1 – «Meus filhos, é por pouco tempo que ainda estou convosco. Dou-vos um mandamento novo: que vos ameis uns aos outros. Como Eu vos amei, amai-vos também uns aos outros. Nisto conhecerão todos que sois meus discípulos: se vos amardes uns aos outros».

Na Última Ceia, Jesus deixa aos seus discípulos a síntese e o essencial da Sua mensagem. Para serem Seus discípulos, e reconhecidos como tal, terão de se amar uns aos outros como Ele os amou. É a única condição. Para eles e para nós, discípulos deste tempo.

followers-of-jesus-listen-to-a-parable.jpg

2 – Um Pai, vendo aproximar-se a hora da morte, chamou os seus 10 filhos. Pediu que cada um pegasse num vime e o partisse. Um a um, todos partiram o respetivo  vime. Depois pediu ao filho mais velho que pegasse em 10 vimes, os juntasse e os partisse ao meio. Tentou uma e outra vez, mas não conseguiu. Pediu que os outros filhos tentassem, mas nenhum obteve melhor resultado. Conclusão: juntos é possível enfrentar os maiores obstáculos. A união faz a força!

Quando um pai vai para longe, durante algum tempo, chama os filhos e pede-lhes para se portarem bem e ajudarem nas tarefas de casa, para fazer os trabalhos da escola, para ajudarem a mãe.

Quando alguém está a morrer, chama os que que são mais próximos e manifesta-lhes as suas últimas vontades. Ou deixa em testamento os seus últimos desejos.

O Testamento de Jesus é este: Amai-vos uns aos outros como Eu vos amei.

jesus-christ-passes-bread.jpg

3 – O que diz no final, Jesus viveu-o, amadureceu-o, experimentou-o ao longo de toda a sua vida. A família de Nazaré, passou por diferentes provações que, por certo, ajudaram a amadurecer a união e a entreajuda, o acolhimento dos estrangeiros e a delicadeza para com os vizinhos. Durante algum tempo, refugiou-se no Egito, regressando a Nazaré. Uma cidade-aldeia em que todos são vizinhos e familiares e se auxiliam para sobreviver e enfrentar as dificuldades.

Intuímos uma vida honrada, de trabalho e de sacrifício. Vive-se com pouco. Os elevados impostos do Templo, do Império e das autoridades locais não permitem uma vida desafogada. Por outro lado, a sobrecarga de leis e de preceitos. 613 Mandamentos, 365 negativos (correspondem aos dias do ano solar) e 248 positivos, tantos como os órgãos do corpo humano. Não seria fácil cumprir tantos preceitos.

A delicadeza e a docilidade de Jesus vêm-lhe de um ambiente de fraterna entreajuda. A sobrevivência, o pão de cada dia, depende desta solidariedade. Também aí se manifesta a fé e a confiança em Deus, o que lhes traz paz diante da prepotência dos dirigentes e os motiva para enfrentar as dificuldades.

jesus-passes-and-blesses-wine.jpg

4 – Durante os três anos de vida pública, Jesus age em conformidade com a educação recebida, com a cultura e a religiosidade do seu povo. A graça de Deus, a sabedoria, levam a valorizar a palavra dada, a ternura e a compaixão, os laços de amizade. Percebendo as injustiças e a inutilidade de muitas leis, terá tudo isso em conta na hora de falar e sobretudo de agir. Coloca-Se do lado dos mais frágeis. Fez isso connosco. Como nos recorda o apóstolo, Ele deu a vida por nós quando éramos pecadores. Com efeito, a própria Encarnação significa a identificação com a humanidade, fez-Se pobre para nos enriquecer com a Sua pobreza, assumindo a nossa fragilidade, gastando-Se na nossa finitude, para nos resgatar ao poder do pecado e da morte.

Toda a mensagem de Jesus está condensada no mandamento do amor. Amar, servir, dar a vida, proximidade, abaixamento. Modos de agir e de viver. Quem não serve para servir, não serve para viver. A glorificação de Jesus é a Sua paixão por nós. Tudo se encaixa na Sua entrega. A ressurreição diz-nos que a Sua vida é o Caminho, a Verdade e a Vida se queremos alcançá-l'O e entrar na vida eterna.


Textos para a Eucaristia (C): Atos 14, 21b-27; Sal 144 (145); Ap 21, 1-5a; Jo 13, 31-33a. 34-35.

 

REFLEXÃO DOMINICAL COMPLETA na página da Paróquia de Tabuaço

e no nosso outro blogue CARITAS IN VERITATE

 

07.03.15

Destruí este templo e em três dias o levantarei

mpgpadre

1 – «Destruí este templo e em três dias o levantarei». Resposta de Jesus àqueles que o questionam sobre a autoridade com que repreende e expulsa os vendilhões do templo.

Os ouvintes de Jesus contestam: «Foram precisos quarenta e seis anos para se construir este templo e Tu vais levantá-lo em três dias?» São duas leituras diferentes sobre realidades distintas. Os judeus falam do templo de Jerusalém. Jesus fala da Sua vida, anunciando a Sua morte e a Sua ressurreição três dias depois de ser morto. «Quando Ele ressuscitou dos mortos, os discípulos lembraram-se do que tinha dito e acreditaram na Escritura e na palavra de Jesus».

A casa é lugar, é espaço sagrado, é altar, é sacramento, do nosso encontro com Deus e com os irmãos, seja templo de pedra ou a nossa vida, e, por conseguinte, deverá ser honrado, íntegro, sem tralha que nos impeça de voltar o coração para Deus e de abraçar os irmãos.

Mais à frente, no diálogo com a Samaritana, Jesus concluirá, com todas as letras, que o verdadeiro culto não se realiza em Jerusalém ou em Gerizim, mas em espírito e verdade, através do nosso corpo, da nossa vida por inteiro. Porém, e como se conclui da atitude de Jesus, os espaços sagrados devem ser respeitados e respeitáveis.

Três domingos e três espaços para encontrar Deus. No deserto, onde as seguranças não existem, ficámos a sós com Deus. O monte que nos invita a sair do nosso conforto e comodismo, exigindo que nos ponhamos a caminho e subamos, não para ficarmos envoltos em nuvens, mas para regressarmos e trazermos a luz ao mundo. Hoje é o Templo, espaço sagrado, para sentirmos que Deus tem lugar e hora marcada connosco, não é simples abstração espiritual.

mercadores.jpg

2 – «Não façais da casa de Meu Pai, casa de comércio». Nas entrelinhas, os discípulos percebem as palavras da Escritura Sagrada: «Devora-me o zelo pela tua casa».

Jesus é o TEMPLO que nos acolhe. A Sua vida, feita doação, tornar-se-á LUGAR de encontro e de vida nova. N'Ele seremos uma só família para Deus. Do alto da Cruz, Ele nos assumirá como irmãos,  dando-nos Maria por Mãe, para que n'Ela aprendamos a amar-nos uns aos outros. Maria cuidará de nós para que a casa do Pai não seja casa de comércio, mas casa de encontro, de partilha e de comunhão.

É preciso muito tempo para construir, edificar, para solidificar. Num edifício como nas nossas vidas, na nossa família e no grupo de amigos. Para destruir por vezes basta uma pequena aragem, uma palavra, um gesto, uma gota de inveja. Um jardim leva uma geração a ficar do agrado de quem dele cuida. Uma família está sempre em aperfeiçoamento, entre alegrias e tristezas.

O que muitos em muito tempo edificaram, poucos em pouco tempo podem destruir com a maior das facilidades. Todo o cuidado é pouco. Será muito importante não desistir. Deus não desiste de nós. Nunca desiste da humanidade. Não desistamos uns dos outros!

____________________________

Textos para a Eucaristia (ano B): Ex 20, 1-17; Sl 18 (19); 1 Cor 1, 22-25; Jo 2, 13-25.

 

Reflexão Dominical COMPLETA na página da Paróquia de Tabuaço

e no nosso outro blogue CARITAS IN VERITATE

25.10.14

Mestre, qual é o maior mandamento da Lei?

mpgpadre

1 –  Primazia do amor a Deus concretizável e traduzido no amor ao próximo, ficariam desfeitas com a resposta de Jesus aos fariseus: «‘Amarás o Senhor teu Deus com todo o teu coração, com toda a tua alma e com todo o teu espírito’. Este é o maior e o primeiro mandamento. O segundo, porém, é semelhante a este: ‘Amarás o teu próximo como a ti mesmo’. Nestes dois mandamentos se resumem toda a Lei e os Profetas».

Respondendo à pergunta dos fariseus, logo Jesus acrescenta um segundo mandamento, semelhante ao primeiro, juntando-os. Nos dois mandamentos está contida toda a Sagrada Escritura, a Lei e os Profetas. O amor a Deus conduz e exige o amor ao próximo. Quem é o meu próximo? Próximo é quem se aproxima para ajudar (cf. Lc 10, 29-37).

Mateus_22,34-40.jpg

2 – Em Jesus, a evidência: tudo o que nos liga a Deus, aproxima-nos dos outros. Até mesmo a oração. A vida de Jesus é disso exemplo. A cumplicidade com Deus não Lhe rouba tempo para estar onde é necessário estar.

A hipocrisia que Jesus vislumbra em alguns grupos dirigentes não é uma novidade. Os profetas – Isaías, Jeremias, Ezequiel, Joel – deixam transparecer a dicotomia entre a religião e a vida concreta. São palavras duras, sobretudo em relação àqueles que tinham a missão e a obrigação de cumprir a palavra de Deus, visualizando-a na justiça, no cuidado dos mais desfavorecidos, órfãos e viúvas, no acolhimento dos estrangeiros, na solidariedade com os vizinhos, no perdão aos ofensores e aos devedores, na concórdia dentro da família.

 

3 – Diz o Senhor: «Não prejudicarás o estrangeiro… Não maltratarás a viúva nem o órfão… Se emprestares dinheiro a alguém do meu povo, não o sobrecarregarás com juros. Se receberes como penhor a capa do teu próximo, terás de lha devolver até ao pôr-do-sol, pois é tudo o que ele tem para se cobrir…»

É vontade de Deus que a justiça, a proximidade, o acolhimento, a generosidade, façam parte do nosso estilo de vida. Deus olha e vê o seu povo e a miséria dos seus eleitos. O mal que fizermos aos outros ou o bem que deixarmos de fazer, pesará nas nossas contas com Deus.

 

4 – Se nos calarmos, se silenciarmos o grito dos injustiçados, dos esquecidos, dos sem voz nem vez, Deus há de pedir-nos contas. Mas Ele não Se esquecerá. Ele não deixará de ouvir o seu clamor, sobretudo o clamor do pobre:

"Eu Vos amo, Senhor, minha força, / minha fortaleza, meu refúgio e meu libertador. / Na minha aflição invoquei o Senhor / e clamei pelo meu Deus. / Do seu templo Ele ouviu a minha voz / e o meu clamor chegou aos seus ouvidos".

Deus vem em meu auxílio, em todos os momentos da minha vida, conduz-me pela mão, e leva-me ao colo ou sustenta-me aos ombros. O pobre clamou, o Senhor ouviu a sua voz. 


Textos para a Eucaristia (A): Ex 22, 20-26; Sl 17 (18); 1 Tes 1, 5c-10; Mt 22, 34-40.

 

22.02.14

Se alguém te bater na face direita, oferece-lhe também a esquerda

mpgpadre

       1 – O meu vizinho deitou um ramo do castanheiro para o meu quintal... E tu não fizeste nada? Claro que fiz: voltei a deitar-lhe o ramo e o lixo que tinha do meu lado. E aprendeu a lição? Achas? Aparou o castanheiro e deitou os ramos para o que é meu. E tu que fizeste? Se fosse eu ou chamava a polícia ou ia lá a casa e só se não pudesse senão partia-lhe as fuças. Não te preocupes, eu fiz melhor, cortei a lenha aos bocados e tenho-a aproveitado para a lareira, bem jeito me faz. Além do mais, já vai para duas semanas e se me vê recolhe-se em casa. Estou em crer que um dia destes ainda me vai pedir para se aquecer em minha casa…

       Há histórias semelhantes que acabam no hospital, na cadeia e na morgue... Infelizmente multiplicam-se situações destrutivas entre vizinhos e por vezes dentro das famílias.

       2 – Ao ver a multidão, Jesus subiu para o monte. Os discípulos aproximam-se d'Ele. Jesus sentou-se e começou a ensiná-los (Mt 5, 1-2). É desta forma que São Mateus nos introduz no Sermão da Montanha. Bem-aventuranças. Ser sal da terra e luz do mundo. Plenitude da Lei de Moisés em dinâmica de perdão e de amor. Amor ao inimigo em contraponto à lei de talião. Jesus refere-a aos antigos, mas na atualidade são muitos os seguidores: "Olho por olho e dente por dente".

       A violência, como facilmente se pode verificar, gera violência, multiplicando-a. Os bons propósitos das Nações Unidas (ONU), de impor a paz pelo exercício da força, quando não é possível o diálogo, abafa a agressão fácil a países com menos recursos, mas gera novos ódios e vinganças. Países que evoluíram para democracias, cujo chão ainda respira sangue e morte, continuam demasiado vulneráveis…

        Como víamos na semana passada, Jesus não vem para anular a Lei mas para a levar à plenitude e, por conseguinte, contrapõe: «Eu, porém, digo-vos: Não resistais ao homem mau. Mas se alguém te bater na face direita, oferece-lhe também a esquerda. Se alguém quiser levar-te ao tribunal, para ficar com a tua túnica, deixa-lhe também o manto. Se alguém te obrigar a acompanhá-lo durante uma milha, acompanha-o durante duas. Dá a quem te pedir e não voltes as costas a quem te pede emprestado. Ouvistes que foi dito: ‘Amarás o teu próximo e odiarás o teu inimigo’. Eu, porém, digo-vos: Amai os vossos inimigos e orai por aqueles que vos perseguem, para serdes filhos do vosso Pai que está nos Céus; pois Ele faz nascer o sol sobre bons e maus e chover sobre justos e injustos. Se amardes aqueles que vos amam, que recompensa tereis? Não fazem a mesma coisa os publicanos? E se saudardes apenas os vossos irmãos, que fazeis de extraordinário? Não o fazem também os pagãos?»

       A referência é Deus: «Sede perfeitos, como o vosso Pai celeste é perfeito». Amar os outros como a nós mesmos indica claramente o caminho. Mas nem sempre o amor-próprio ou a autoestima serão critérios saudáveis para cuidar dos outros. Jesus dá o mote: amai-vos uns aos outros como Eu vos amei. Sede misericordiosos como o Vosso Pai é misericordioso.


Textos para a Eucaristia (ano A): Lev 19, 1-2.17-18; Sl 102 (103); 1Cor 3, 16-23; Mt 5, 38-48.

 

15.02.14

Quem praticar os Mandamentos será grande no reino dos Céus

mpgpadre

       1 – Quando gostamos genuinamente de alguém, procuramos que as nossas palavras e os nossos gestos digam o que sentimos e expressem alegria, gratidão, felicidade. «O que tu és fala tão alto que mal consigo ouvir o que tu dizes» (desconhecido). A pessoa não é o que veste, o que come, o que fala, o que faz. É tudo isso. É um ser mais complexo. Daí que nos seja sempre difícil e falível julgar as pessoas apenas por uma aspeto, uma impressão imediata.

       O cristianismo é, antes de mais e sobretudo, a história de um encontro, de uma descoberta, o nosso encontro com Jesus, Crucificado e Ressuscitado. Um encontro pessoal que desemboca na comunidade. Se vários nos encontramos com Jesus, mais cedo ou mais tarde vamos querer falar d'Ele, partilhar com outros a nossa experiência, vamos querer enriquecer-nos com a experiência de outros. Por outro lado, Jesus desafia-nos à comunhão, a congregarmo-nos como irmãos.

       Regras e sinais de trânsito. Alguém vai pensar que estes são para nos proibir e limitar os nossos movimentos? O código da estrada tem o ensejo de proteger as pessoas. Protegem-nos e protegem os outros. Resultam do bom senso, da experiência, da reflexão, do estudo, da preocupação de criar as condições mais favoráveis e seguras…

       2 – Jesus não só não destrói a Lei como quer completar, levar à plenitude. Esta tem como conteúdo o amor: o amor que se predispõe a dar a vida. «Aquele que praticar e ensinar [os Mandamentos] será grande no reino dos Céus!». A mensagem de Jesus é inclusiva: assume o passado e as lições que podem ajudar no presente e no futuro.

       Mas não apenas isso. Jesus vai mais longe: «Se a vossa justiça não superar a dos escribas e fariseus, não entrareis no reino dos Céus». O Mestre dos Mestres dá vida, carne, músculo, sentido, humanidade a toda a Lei. Esta há de estar ao serviço da dignidade do ser humano e do bem comum.

       Daí a contraposição: «ouvistes que foi dito aos antigos: ‘Não matarás; quem matar será submetido a julgamento’. Eu, porém, digo-vos:Todo aquele que se irar contra o seu irmão será submetido a julgamento… Reconcilia-te com o teu adversário, enquanto vais com ele a caminho... Digo-vos que não jureis em caso algum: nem pelo Céu, que é o trono de Deus; nem pela terra, que é o escabelo dos seus pés; nem por Jerusalém, que é a cidade do grande Rei. Também não jures pela tua cabeça, porque não podes fazer branco ou preto um só cabelo».

       O ensinamento de Jesus conduz à coerência de vida: devemos pôr em prática na nossa vida o que professamos e o que exigimos aos outros. É também nesta lógica que Jesus exige aos seus discípulos uma linguagem simples e respeitadora do outro: «A vossa linguagem deve ser: ‘Sim, sim; não, não’. O que passa disto vem do Maligno».


Textos para a Eucaristia (ano A): Sir 15, 16-21; Sl 118 (119); 1 Cor 2, 6-10; Mt 5, 17-37.

 

Reflexão Dominical COMPLETA na Paróquia de Tabuaço

e no nosso blogue CARITAS IN VERITATE

26.09.13

Papa Francisco - Na Universidade das Mães

mpgpadre

Amados irmãos e irmãs, bom dia!

       Hoje, volto a falar sobre a imagem da Igreja como mãe. Gosto muito desta imagem da Igreja como mãe. Por este motivo quis voltar a falar sobre ela, porque me parece que esta imagem nos diz não só como é a Igreja, mas também que rosto esta nossa Mãe-Igreja deveria ter cada vez mais.Gostaria de frisar três situações, considerando sempre as nossas mães, tudo o que elas fazem, vivem e sofrem pelos próprios filhos, continuando aquilo que eu disse na quarta-feira passada. Interrogo-me: o que faz uma mãe?
       Antes de tudo, ensina a caminhar na vida, ensina a comportar-se bem na vida, sabe como orientar os filhos, procura sempre indicar o caminho recto na vida para crescer e para se tornar adultos. E fá-lo sempre com ternura, carinho e amor, até quando procura endireitar o nosso caminho, porque nos desviamos um pouco na vida ou seguimos veredas que levam para um precipício. A mãe sabe o que é importante, para que o filho caminhe bem na vida, e não o aprendeu dos livros, mas do próprio coração. A Universidade das mães é o seu coração! Ali elas aprendem a orientar os seus filhos.
       A Igreja age do mesmo modo: orienta a nossa vida, oferece-nos ensinamentos para caminhar bem. Pensemos nos dez Mandamentos: indicam-nos uma senda a percorrer para amadurecer, para dispor de pontos firmes no modo de nos comportarmos. E são fruto da ternura, do amor do próprio Deus que no-los concedeu. Vós podereis dizer-me: mas são ordens! São um conjunto de «nãos»! Gostaria de vos convidar a lê-los — talvez os tenhais esquecido um pouco — e depois a considerá-los positivamente. Vereis que dizem respeito ao modo de nos comportarmos em relação a Deus, a nós mesmos e ao próximo, precisamente como nos ensina a nossa mãe, para vivermos bem. Convidam-nos a não construir ídolos materiais que depois nos tornam escravos, a recordar-nos de Deus, a ter respeito pelos pais, a ser honestos, a respeitar os outros... Procurai vê-los assim, a considerá-los como se fossem as palavras, os ensinamentos sugeridos pela mãe para caminhar bem na vida. A mãe nunca ensina o que é mal, mas só quer o bem dos filhos, e é assim que a Igreja age.
       Gostaria de vos dizer algo mais: quando um filho cresce, torna-se adulto, toma o seu caminho, assume as suas responsabilidades, caminha com as próprias pernas, faz o que quer e, às vezes, pode até sair do caminho, acontece algum incidente. Em todas as situações, a mãe tem sempre a paciência de continuar a acompanhar os filhos. O que a impele é a força do amor; a mãe sabe acompanhar com discrição e ternura o caminho dos filhos e até quando erram procura sempre o modo de os compreender, para estar próxima, para ajudar. Nós — na minha terra — dizemos que a mãe sabe «dar la cara». Que significa? Quer dizer que a mãe sabe «dar a cara» pelos próprios filhos, ou seja, é levada a defendê-los sempre. Penso nas mães que sofrem pelos filhos na prisão, ou em situações difíceis: não se perguntam se são culpados ou não, continuam a amá-los e muitas vezes sofrem humilhações, mas não têm medo, não deixam de se doar.
       A Igreja é assim, é uma mãe misericordiosa que entende, que procura sempre ajudar, encorajar, até quando os seus filhos erram, e nunca fecha as portas da Casa; não julga, mas oferece o perdão de Deus, oferece o seu amor que convida a retomar o caminho até aos filhos que caíram num precipício profundo, a Igreja não tem medo de entrar na sua noite para dar esperança; a Igreja não tem medo de entrar na nossa noite, quando estamos na escuridão da alma e da consciência, para nos infundir a esperança, pois a Igreja é mãe!

        Um último pensamento. A mãe sabe também pedir, bater a todas as portas pelos próprios filhos, sem calcular; fá-lo com amor. E penso no modo como as mães sabem bater, também e sobretudo, à porta do Coração de Deus! As mães rezam muito pelos seus filhos, especialmente pelos mais frágeis, por quantos enfrentam maiores necessidades, por aqueles que na vida empreenderam caminhos perigosos ou errados. Há poucas semanas celebrei na igreja de Santo Agostinho, aqui em Roma, onde estão conservadas as relíquias da sua mãe, santa Mónica. Quantas orações elevou a Deus aquela santa mãe pelo filho, e quantas lágrimas derramou! Penso em vós, amadas mães: quanto rezais pelos vossos filhos, sem vos cansardes! Continuai a rezar, a confiar os vossos filhos a Deus; Ele tem um coração grande! Batei à porta do Coração de Deus com a prece pelos filhos!
       E assim age também a Igreja: põe nas mãos do Senhor, com a oração, todas as situações dos seus filhos. Confiemos na força da oração da Mãe-Igreja: o Senhor não permanece insensível. Ele sabe surpreender-nos sempre, quando menos esperamos. A Mãe-Igreja sabe fazê-lo!
       Eis, estes eram os pensamentos que que vos queria transmitir hoje: vejamos na Igreja uma boa mãe que nos indica o caminho a percorrer na vida, que sabe ser sempre paciente, misericordiosa, compreensiva, e que sabe pôr-nos nas mãos de Deus.
 
in Audiência Geral, Praça de São Pedro, Quarta-feira, 18 de Setembro de 2013: AQUI.

05.05.13

Quem Me ama guardará a minha palavra e meu Pai o amará

mpgpadre

       1 – “Na cidade não vi nenhum templo, porque o seu templo é o Senhor Deus omnipotente e o Cordeiro. A cidade não precisa da luz do sol nem da lua, porque a glória de Deus a ilumina e a sua lâmpada é o Cordeiro”.

       A nova cidade – é o nosso Deus. Nós, o Seu povo. Como povo clarificamos a nossa permanência no Senhor, contrapondo a inspiração pessoal à inspiração do Espírito. Como há dias dizia o Papa Francisco, não nos iludamos a procurar Jesus Cristo fora da Igreja, recordando, por sua vez, as palavras do Papa Paulo VI que tinha dito ser “uma dicotomia absurda querer viver com Jesus sem a Igreja, seguir Jesus fora da Igreja, amar Jesus sem a Igreja”.

       O templo também é novo: o próprio Deus e o Cordeiro. Ele é LUZ que está por toda a parte, que alumia a alma e o mundo. A nossa luz vem de dentro, vem de Deus.

       2 – Como perceber que permanecemos na Igreja, ligados à comunidade cristã? Como saber que estamos em Deus, em comunhão com Ele? Como reconhecer que Ele permanece em nós?

       A resposta é dada por Jesus Cristo de forma inequívoca:

«Quem Me ama guardará a minha palavra e meu Pai o amará; Nós viremos a ele e faremos nele a nossa morada. Deixo-vos a paz, dou-vos a minha paz. Não vo-la dou como a dá o mundo. Não se perturbe nem se intimide o vosso coração. Ouvistes que Eu vos disse: Vou partir, mas voltarei para junto de vós. Disse-vo-lo agora, antes de acontecer, para que, quando acontecer, acrediteis».

       O contexto é ainda o da Última Ceia, a primeira dos novos tempos, durante a qual Jesus sublinha o essencial do seu Testamento: amai-vos uns aos outros como Eu vos amei. Ele vai para o Pai, e da vastidão de Deus, pelo mistério da Ressurreição, estará mais acessível, para todos, até ao fim dos tempos, pelo Espírito Santo.

 

       3 – PERMANECER é o ideal e o compromisso do cristão, do discípulo de Jesus Cristo. Começa aí a VIDA NOVA. A primeira atitude é viver com Jesus, estar em Sua Casa, e no Seu Corpo.

       A evangelização (e o envio) começa antes, muito antes, começa na inserção Cristo e ao Seu Corpo que é a Igreja, do qual somos membros. Ele está no CENTRO, no MEIO, entre nós, ou não passamos de mais uma organização social, cultural, ou de mais uma ONG (organização não governamental), como referia Francisco nos primeiros dias como Papa. Ele há de ocupar-nos por inteiro. Ocupar o nosso coração. Só o amor preenche o ser humano por completo. Na Mensagem para as Jornadas Mundiais da Juventude, Bento XVI acentua que o AMOR é “a única realidade capaz de encher o coração de cada um e unir as pessoas. Deus é amor. O homem que esquece Deus fica sem esperança e torna-se incapaz de amar o seu semelhante. Por isso é urgente testemunhar a presença de Deus para que todos possam experimentá-la: está em jogo a salvação da humanidade, a salvação de cada um de nós”.

       O amor levar-nos-á a fazer transbordar o que nos transforma.

       Os cristãos e as comunidades dos primeiros dias, com menos meios, com muitíssimos obstáculos, fervilharam no anúncio de Jesus Cristo e do Seu evangelho, não apenas pela pregação direta, mas também pelo amor que colocavam em tudo o que faziam.

       Agora é HORA de sermos nós os portadores desta BOA NOTÍCIA: Deus habita entre nós.

       4 – A primeira leitura tem-nos dado a oportunidade de acompanhar a dinâmica e o entusiasmo com que o Evangelho vai “contaminando” povos, ambientes, novos mundos. Obviamente, com dificuldades que merecem cuidado e confrontação, para que prevaleça a fé, a ligação a Jesus Cristo, através dos apóstolos e seus sucessores.

“Tendo sabido que, sem nossa autorização, alguns dos nossos vos foram inquietar, perturbando as vossas almas com as suas palavras, resolvemos, de comum acordo, escolher delegados para vo-los enviarmos, juntamente com os nossos queridos Barnabé e Paulo, homens que expuseram a sua vida pelo nome de Nosso Senhor Jesus Cristo. Por isso vos mandamos Judas e Silas, que vos transmitirão de viva voz as nossas decisões. O Espírito Santo e nós decidimos não vos impor mais nenhuma obrigação...”

       Com preocupação, os discípulos, enviados das comunidades a novas comunidades, verificam que nem tudo é claro, transparente, fiel aos ensinamentos de Jesus Cristo. O que fazer? Excluir? Denunciar? Melhor, refletir em comunidade, com aqueles que têm autoridade. Aqui se vê como desde sempre a inspiração pessoal há de ser testada com a “tradição”, com o ensino dos apóstolos, com a vivência comunitária da fé, sob a inspiração do Espírito Santo.


Textos para a Eucaristia (ano C): Atos 15, 1-2.22-29; Ap 21, 10-14.22-23; Jo 14, 23-29.

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Relógio

Pinheiros - Semana Santa

- 29 março / 1 de abril de 2013 -

Tabuaço - Semana Santa

- 24 a 31 de abril de 2013 -

Estrada de Jericó

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Velho - Mafalda Veiga

Festa de Santa Eufémia

Pinheiros, 16/17 de setembro de 2012

Primeira Comunhão 2013

Tabuaço, 2 de junho

Profissão de Fé 2013

Tabuaço, 19 de maio