Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Escolhas & Percursos

...espaço de discussão, de formação, de cultura, de curiosidades, de interacção. Poderemos estar mais próximos. Deus seja a nossa Esperança e a nossa Alegria...

Escolhas & Percursos

...espaço de discussão, de formação, de cultura, de curiosidades, de interacção. Poderemos estar mais próximos. Deus seja a nossa Esperança e a nossa Alegria...

04.06.16

Jovem, Eu te ordeno: levanta-te.

mpgpadre

1 – "O Espírito do Senhor está sobre mim, porque me ungiu para anunciar a Boa-Nova aos pobres; enviou-me a proclamar a libertação aos cativos e, aos cegos, a recuperação da vista; a mandar em liberdade os oprimidos" (Lc 4, 18-19). "O Filho do Homem veio procurar e salvar o que estava perdido" (Lc 19, 10).

No início da Sua vida pública, na sinagoga de Nazaré, e no encontro com Zaqueu, vem ao de cima o propósito e a missão de Jesus: salvar, redimir, curar, ungir, recuperar, libertar. São dois exemplos, mas o evangelho está repleto de encontros, de gestos e de palavras de Jesus que assomam a misericórdia de Deus.

 

maxresdefault.jpg

2 – A América Latina desenvolveu a Teologia da Libertação, consagrando a opção preferencial pelos pobres, procurando responder às situações reais de pobreza e exclusão social. Um dos riscos é reduzir a fé a puro marxismo, com recurso aos mesmos instrumentos que as estruturas político-partidárias, criando novas divisões.

Na Argentina, uma acentuação diferente, reconhecida como Teologia do Povo, sob patrocínio do papa Paulo VI. Os pobres são parte da solução. O Beato Óscar Romero, em São Salvador, perfilha a opção preferencial pelos mais pobres, em lógica de libertação integral, na abertura ao transcendente. Não se podem mudar as estruturas sem a conversão, sem mudar os corações. Prefere a Teologia da Salvação. Cristo, pela Sua cruz, redime o homem todo.

Em Aparecida, 5.ª Assembleia Geral dos Bispos da América Latina e Caribe, o Cardeal Bergoglio (Papa Francisco) coordenou o Documento Final, renovou o compromisso social, sob alegria e força do Evangelho, contando com os excluídos, pobres, escravos, prostitutas, crianças de rua, explorados e espoliados, mulheres, toxicodependentes, na transformação da realidade, partilhando as alegrias e as tristezas, empenhando-se solidariamente uns com os outros, lutando pela justiça, pela libertação integral, pelos direitos fundamentais, procurando viver ao jeito de Jesus, anunciando-O em todas as situações.

O Papa Bento XVI colocou em evidência a fundamentação cristológica da Teologia da Libertação. Cristo vem salvar a humanidade e libertar-nos de todas as amarras da escravidão. O modo de ser e de agir de Jesus funda e fundamenta o compromisso dos cristãos.

Imagem 42.jpg

3 – O Evangelho hoje proclamado mostra-nos a sensibilidade e o agir de Jesus, sobressaindo a compaixão e a ternura como marcas constantes do Seu ministério de salvação.

À entrada de uma cidade chamada Naim, Jesus depara-se com um funeral, uma viúva que chora pela morte do seu filho único. Além da profunda tristeza pela morte do seu filho, também o desamparo em que se encontra, por ser viúva. Naquele tempo não havia segurança social ou outro tipo de apoio instituído. Poderia ter a dita de ser acolhida pela família do marido ou por algum dos seus irmãos, já que a esperança média de vida leva a supor que já não teria pais ou os teria por pouco tempo e cujo património passaria para os irmãos. O filho garantiria a sobrevivência, a proteção, o património. A viuvez, sem descendência, expõe-se à pobreza e à mendicidade.

"Ao vê-la, o Senhor compadeceu-Se dela". Esta não é uma atitude isolada, mas o sentir constante de Jesus perante situações de pobreza, doença, isolamento social. Dirigindo-se a ela, diz-lhe: «Não chores». Aproxima-se e toca no caixão, dizendo: «Jovem, Eu te ordeno: levanta-te». O morto sentou-se e começou a falar; e Jesus entregou-o à sua mãe.

Situemo-nos junto de Jesus e daquela Mãe. Que sentimos quando a vemos a torcer-se de sofrimento? Como vemos os gestos e as palavras de Jesus? Como lidamos com o sofrimento de alguém que nos é próximo? Aproximamo-nos e ajudamos o outro a levantar-se?

Com Jesus, Deus visita o seu povo! Como podemos agir para que através de nós Deus possa visitar a nossa família, os nossos colegas de trabalho, os nossos amigos?

_______________________

Textos para a Eucaristia (C): 1 Reis 17, 17-24; Sal 29 (30); Gal 1, 11-19; Lc 7, 11-17.

 

REFLEXÃO DOMINICAL COMPLETA na página da Paróquia de Tabuaço

e no nosso outro blogue CARITAS IN VERITATE

08.03.15

Leituras: CELAM - DOCUMENTO DE APARECIDA

mpgpadre

CELAM (14.ª reimpressão: 2013). Documento de Aparecida. Texto conclusivo da V Conferência Geral do Episcopado Latino-Americano e do Caribe. São Paulo e Brasília: Edições CNBB, Paulus Editora, Paulinas Editora. 312 páginas.

doc_Aparecida.jpg

        D. António Couto, Bispo da nossa Diocese de Lamego, tem sustentado que a primeira Exortação Apostólica do Papa Francisco, Evangelii Gaudium (A Alegria do Evangelho), mais que ser uma Exortação pós-sinodal (reflexão que resulta do Sínodo dos Bispos sobre "a nova evangelização para a transmissão da fé cristã", que se realizou em outubro de 2012, e no qual esteve presente D. António Couto), mais que ser pós-sinodal, é pós-APARECIDA.

       A pessoa não é um mundo à parte, mas integrado com as circunstâncias que a ajuda a crescer e para as quais também contribui. As conferências o Episcopado Latino Americano e caribenho trouxeram uma riqueza inesgotável à Igreja Católica. Os bispos daquela região do mundo, onde existem mais católicos, onde convivem diversas culturas, etnias, origens diversas, uma das regiões mais pobres, ainda que os recursos sejam muitos.

       Com a Assembleia de Aparecida, são 5 as assembleias gerais que puseram os Bispos a rezar em conjunto, a refletir, a apontar novos caminhos, com a autonomia do seu ministério, em estreita ligação ao Sucessor de Pedro, com Pio XII, na primeira Assembleia da CELAM, em 1955, no Rio de Janeiro; com Paulo VI e João Paulo II, sucessivamente em Medellín, Puebla e Santo Domingo, e com Bento XVI em Aparecida, no Brasil, e com a preocupação de responder aos desafios que se colocam à Igreja e à sociedade naquela região do mundo e que deu agora à Igreja o Papa Francisco.

       Algumas das preocupações manifestadas pelo Papa Francisco já estavam presentes no seu ministério episcopal na Argentina, integrando o continente da esperança e que o Papa Bento XVI desejava muito fosse também o continente do amor, da caridade. Expressões como discípulos missionários, Igreja em saída, alegria do Evangelho, comunidades de base, acolhimento, proximidade, compromisso social e político de leigos bem formados, catequese em todas as idades, diálogo com outras confissões cristãs e com outras religiões, presença na cultura, na sociedade, onde estiverem as pessoas aí terá que estar a Igreja.

       Quem lê o Documento facilmente percebe que tem a mão, o pensamento e o coração do Papa latino-americano, o então Cardeal Jorge Mário Bergoglio, uma vez que foi quem presidiu à Comissão da Assembleia do Episcopado e foi o relator do documento final de Aparecida.

       O método seguido na Assembleia é semelhante ao da Ação Católica, ver, julgar e decidir. Por conseguinte, o Documento traça uma leitura sobre a realidade ou realidades latino-americanas e caribenhas, com a sua história, com as suas sombras e esperanças; a presença da Igreja e do Evangelho, também com as suas sombras e esperanças, e com as suas potencialidades; e as respostas que poderão ser dadas e que comprometem e responsabilizam todos, Bispos, padres, diáconos, catequistas, universidades, famílias, paróquias, comunidades de base. Sair, ir ao encontro do mais frágil, lutar pela justiça, e pelos direitos fundamentais,, imitando Jesus, tornando-se discípulos para nos tornarmos verdadeiramente missionários. A proposta à grande Missão Continental, procurando potenciar todo o bem, eliminando as barreiras, as injustiças, levando Deus, o Deus próximo, o Deus connosco, Jesus Cristo.

       Sublinhe-se também a ligação estreita da V Conferência Latino Americana e Caribenha e do atual Papa Francisco ao Papa Bento XVI que presidiu à abertura da Assembleia e cujas intervenções foram assumidas, integradas, sublinhadas em todo o documento de Aparecida. Bento XVI entranhou-se bem no espírito de Aparecida, ou a CELAM soube acolher e identificar-se com o "sonho" de Bento XVI. Ou melhor, a Igreja na América Latina e no Caribe, em comunhão com o Papa, soube colocar-se à escuta do Espírito Santo para melhor servir as comunidades e as pessoas, acolhendo a graça de Deus e comunicando o Evangelho da Verdade e da Caridade.

27.03.14

LEITURAS: Gutiérrez e Müller - Ao lado dos pobres

mpgpadre

GUSTAVO GUTIÉRREZ e GERHARD LUDWIG MÜLLER. Ao lado dos Pobres. A Teologia da Libertação é uma Teologia da Igreja. Paulinas Editora. Prior Velho 2014. 208 páginas.

       Com a eleição do então Cardeal Jorge Mario Bergoglio, em 13 de março de 2013, escolhendo o nome de Francisco, em homenagem a Francisco de Assis, colocando o acento tónico na Igreja pobre e dos pobres, a Teologia da Libertação ganhou nova visibilidade. Longe vão os tempos em que a Teologia da Libertação esteve sob suspeita, sendo acusada, por ignorância e preconceito, de uma teologia marxista, partindo da análise socioeconómica, na persecução do mesmo objetivo da luta de classes.

       Desde logo, no centro da Teologia da Libertação, cuja paternidade tem um rosto de fidelidade à Igreja e ao Magistério, e fidelidade e compromisso com os pobres do Peru, sua terra natal, englobando toda a América Latina e Caribe, a opção preferencial pelos pobres, expressão acarinhada pelos Bispos locais em diversas Assembleias, é uma opção que decorre do amor gratuito e misericordioso de Deus pelos pobres, não pela bondade dos mesmos. Em Jesus, Deus que encarna e Se "localiza", os pobres têm lugar à mesa, hão de ser os primeiros a ser servidos. A Teologia da Libertação é verdadeira teologia, parte de Deus, do Evangelho, acolhe o magistério eclesial, colocando o enfoque precisamente na opção pelos pobres, não como adenda, mas como compromisso irrenunciável. Por outro lado, mesmo servindo-se das ciências humanas e sociais, da análise socioeconómica, não visa, como no marxismo, a troca de uma classe social por outra, mas a dignidade da pessoa humana, de todas as pessoas. A economia de mercado, a globalização da economia, na maioria das vezes não levou a melhorias da vida da maioria, mas sobretudo a abertura dos mercados emergentes para obrigar o escoamento dos produtos das nações mais ricas.

       Vê-se como o autor - não renunciando ao enfoque próprio da Teologia da Libertação, mostrando com clareza que toda a teologia tem em conta a particularidade, a começar pelo próprio Jesus, judeu de nascimento - mantém uma pose de grande humildade e abertura, explicando uma ou outra vez, sublinhando que o mais importância nem é a relevância da Teologia da Libertação, mas o serviço aos mais pobres.

       O Papa Francisco tem precisamente sublinhado como a Igreja deverá ir às periferias geográficas e sobretudo existenciais, tendo vindo também ele de uma periferia.

       A reflexão resultante do Concílio Vaticano II, sobretudo com a Constituição Gaudium et Spes, com a abertura da Igreja ao mundo e a necessidade de uma leitura atenta e atual aos sinais dos tempos, é precisamente berço para o nascimento da Teologia da Libertação, que procura ler e responder aos sinais de uma América Latina pobre, empobrecida, periférica. Gustavo Gutiérrez não se deixou enredar em polémicas e respondeu sempre com abertura às estruturas da Igreja, nomeadamente perante a Congregação para a Doutrina da Fé, com o então Cardeal Ratzinger, como o próprio [Ratzinger] a empenhar-se pessoalmente no diálogo frutuoso com o pai da Teologia da Libertação, acolhendo a riqueza deste património, cuidando para minorar os riscos de desvio e apropriação da Teologia da Libertação por algum regime ditatorial.

       Curiosamente, o parceiro desta publicação é o atual Prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé, Cardeal Gerhard Ludwig Müller (feito Cardeal no dia 21 de fevereiro de 2014, pelo Papa Francisco). Outra curiosidade, é que foi nomeado para Prefeito por Bento XVI, a 2 de julho de 2012, para substituir o cardeal norte-americano William Joseph Levada, por limite de idade.

        O próprio Gutiérrez sublinha o risco de alguns desvios teóricos e práticos da Teologia da Libertação, sem que seja essa a sua génese. No livro, Gerhard Müller, deixa claro que "o movimento eclesial e teológico latino-americano conhecido como "Teologia da Libertação", que se espalhou por outras partes do mundo depois do Concílio Vaticano II, deve, em minha opinião, ser incluído entre as correntes mais importantes da teologia católica do século XX".

       Continua a haver muitos críticos da Teologia da Libertação, que o fazem uma e outra vez por ignorância e preconceito. Mas também a polémica se gera do lado dos que arremessam com esta Teologia contra a Igreja e o Magistério. No entanto, a coletânea dos textos recolhidos neste livro, publicada em 2004, na Alemanha, mais os textos do de Gerhard Müller, afastam-se claramente de qualquer polémica, num equilíbrio ímpar. Sublinhe-se também, que durante a reflexão/análise na Congregação para a Doutrina da Fé, sob a batuta do então Cardeal Joseph Ratzinger, nunca o movimento foi criticado. Por outro lado, o Papa João Paulo II recorrerá por diversas vezes à linguagem nova que vem das Conferências Episcopais da América Latina e Caribe, reunidas em Medellín (1968), Puebla (1979), Santo Domingo (1992). A "opção preferencial pelos pobres" entra definitivamente no vocabulário da Igreja e a necessidade da Nova Evangelização enraíza-se precisamente nas Assembleias do episcopado latino-americano, sancionando a Teologia da Libertação. Posteriormente, a Assembleia da CELAM (Episcopado Latino-Americano) em Aparecida, no Brasil, em 2007, e tal como o fez João Paulo II, também Bento XVI lhe dirigiu palavras de estímulo num discurso muito cristológico.

       Para melhor compreender o que significa Teologia da Libertação, mas sobretudo a opção preferencial pelos pobres, que ao tempo de Cristo tinham nome - Lázaro -, e que agora são uma maioria sem nome e sem chão, este é um excelente texto, de fácil compreensão. O propósito da Teologia da Libertação, com um enfoque específico, visa o mesmo que toda a Teologia, que Cristo seja tudo em todos.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Relógio

Pinheiros - Semana Santa

- 29 março / 1 de abril de 2013 -

Tabuaço - Semana Santa

- 24 a 31 de abril de 2013 -

Estrada de Jericó

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Velho - Mafalda Veiga

Festa de Santa Eufémia

Pinheiros, 16/17 de setembro de 2012

Primeira Comunhão 2013

Tabuaço, 2 de junho

Profissão de Fé 2013

Tabuaço, 19 de maio