Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Escolhas & Percursos

...espaço de discussão, de formação, de cultura, de curiosidades, de interacção. Poderemos estar mais próximos. Deus seja a nossa Esperança e a nossa Alegria...

Escolhas & Percursos

...espaço de discussão, de formação, de cultura, de curiosidades, de interacção. Poderemos estar mais próximos. Deus seja a nossa Esperança e a nossa Alegria...

01.04.18

Deus ressuscitou-O ao 3.º dia e permitiu-Lhe manifestar-Se...

mpgpadre

1 – Jesus é a nossa Páscoa. A vida toda se encaminha para este grande e admirável mistério da nossa salvação. Tudo acontece e tudo parte da Páscoa de Jesus.

É o grande Dia, o Dia do Senhor, da Vida Nova que germina, florescendo e frutificando! A morte, diante da Ressurreição, é, afinal, um momento provisório. Sério, intenso, dramático, desolador, mas ainda assim passageiro, momentâneo, pois o que é definitivo é a vida, a vida em Deus. Se tudo tivesse ficado naquele sepulcro, onde 40 horas antes foi depositado, então a dispersão seria completa e a vida ficaria incompleta, o vazio tomaria conta da humanidade.

Depois do sábado, dia sagrado para os judeus, Maria Madalena, na versão joanina, ainda escuro, vai ao sepulcro, vê a pedra retirada e imediatamente corre para avisar Sião Pedro e o discípulo amado: «Levaram o Senhor do sepulcro e não sabemos onde O puseram». A desolação continua! Pedro e o discípulo amado correm para ir ver o que aconteceu. Ao entrarem no túmulo e, vendo a disposição das ligaduras e do sudário, percebem que algo de extraordinário aconteceu, conforme o Mestre predissera e segundo as Escrituras, Jesus já não Se encontra no túmulo, mas está vivo, ressuscitou!

Fotolia_103664085_Subscription_Monthly_M.jpg

2 – A morte de Jesus na Cruz gera dispersão, abandono e desolação. A Sua Páscoa, a ressurreição de entre os mortos, algo de inusitado e ao alcance somente de Deus – «A ressurreição é um acontecimento dentro da história, que, todavia, rompe o âmbito da história e a ultrapassa» (Joseph Ratzinger/Bento XVI) –, gera conforto, alegria, esperança, gera comunidade e encontro.

Na estrada de Emaús, os dois discípulos expressam bem o desconforto que provocou a morte de Jesus, as esperanças que n'Ele tinham depositado e como tudo se esboroou! Com o Seu regresso ao convívio dos vivos, a proximidade, os elos que ligavam os discípulos, a motivação para estarem juntos regressa em força.

 

3 – Neste primeiro dia da nova criação, o Dia do Senhor (= Domingo), cada passo nos aponta a comunidade, tudo nos conduz a Jesus. Procuramos agora rever e reatualizar o que antes nos tinha dito com as Suas palavras, gestos e prodígios!

Maria Madalena vai sozinha ao túmulo, mas logo regressa ao encontro dos discípulos, Pedro e discípulo amado. Por sua vez, os dois correm juntos... juntos devem caminhar os discípulos... O outro discípulo, porém, antecipou-se, pois corria mais depressa, mas aguardou a chegada de Pedro, deixando que este entrasse primeiro. Pedro precisa recuperar o tempo perdido com a negação do Mestre. Cada um de nós tem o seu próprio ritmo, caminhamos em conformidade com as nossas forças e com as nossas limitações, mas ainda assim não devemos dispersa-nos dos outros. Até à morte, as distâncias podem centuplicar-se, mas a passagem à vida requer que sejamos discípulos e lembra-nos que somente com os outros passaremos além do túmulo, além da morte!

 

3 – Pedro corre atrás do prejuízo! Comprometeu-se com muito – eu não, eu não Te negarei – mas quando chegou a hora do aperto, sacudiu a responsabilidade – eu não, eu não conheço Esse Homem! Não uma, nem duas, mas três vezes! Precisa agora de tonificar os músculos, sobretudo o do coração, reintegrando-se na comunidade.

À beira do lago, Jesus há de lhe perguntar pelo amor, pela fidelidade no amor, pela firmeza em amar! A consistência da sua pregação vem-lhe da confiança, do amor e da proximidade a Jesus.

A identidade de Jesus, morto e ressuscitado, compromete cada um de nós, compromete Pedro, Tiago e João, compromete-me a mim e a ti! Cada um com a sua responsabilidade. Os primeiros enviados são aqueles que com Ele comeram e beberam com Ele, pois são testemunhas privilegiadas porque O acompanharam na história e nos caminhos da Judeia, da Galileia e da Samaria. Por conseguinte, depois da Ressurreição, Jesus envia-os a «pregar ao povo e testemunhar que Ele foi constituído por Deus juiz dos vivos e dos mortos».

Agora é connosco, também nós comemos com Ele, melhor, nós comungamos o Seu Corpo e Sangue e, por conseguinte, tornámo-nos testemunhas e, nessa condição, somos enviados a pregar…


Textos para a Eucaristia (B): Atos 10,34a.37-43; Sl 117 (118); Col 3,1-4 ou 1 Cor 5, 6b-8; Jo 20,1-9.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Relógio

Pinheiros - Semana Santa

- 29 março / 1 de abril de 2013 -

Tabuaço - Semana Santa

- 24 a 31 de abril de 2013 -

Estrada de Jericó

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D

Velho - Mafalda Veiga

Festa de Santa Eufémia

Pinheiros, 16/17 de setembro de 2012

Primeira Comunhão 2013

Tabuaço, 2 de junho

Profissão de Fé 2013

Tabuaço, 19 de maio