Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Escolhas & Percursos

...espaço de discussão, de formação, de cultura, de curiosidades, de interacção. Poderemos estar mais próximos. Deus seja a nossa Esperança e a nossa Alegria...

Escolhas & Percursos

...espaço de discussão, de formação, de cultura, de curiosidades, de interacção. Poderemos estar mais próximos. Deus seja a nossa Esperança e a nossa Alegria...

04.11.17

Aquele que for o maior entre vós será o vosso servo

mpgpadre

1 – Cada um de nós sabe que existe, mas precisa de ser reconhecido, de ser visto, de ser ouvido, de se sentir amado, acolhido, de se sentir pessoa. Quando uma pessoa se sente invisível, sente-se morrer, encolhe-se, parece desaparecer. Não é apenas a consciência pessoal que conta, mas também a consciência que existe com os outros e para os outros. Um dos dramas do nosso tempo é a solidão.

Vivemos num tempo de grande combatividade. O ritmo da vida é acelerado. O stresse toma conta das pessoas. É necessário responder rapidamente, ao segundo. Temos tudo ligado. Durante todo o tempo. O telemóvel, o computador, a televisão, o tablet. Há que inovar. Desfazer-se do velho, porque novas coisas estão a emergir. O desgaste é desproporcional à nossa capacidade de visualização, de compreensão, de aceitação, de transformação. Antes, íamo-nos habituando às situações. Havia tempo para refletir. Para discutir. Para absorver. Hoje, tudo se esfuma num instante. Surgem os acontecimentos e só depois tentamos compreender e assimilar. Quando muda a hora, precisamos de um dia ou dois ou mais para nos habituarmos.

Tanta tecnologia, tanta vida, tanta dispersão, tanta tensão, tantos afazeres! E o que precisamos é de amar e ser amados. Precisamos de encaixar as diferenças que nos enciúmam, de limar as arestas que nos ferem mutuamente. Precisamos de nos aceitar na nossa pobreza e fragilidade, nas nossas limitações e nas nossas imperfeições. Precisamos de nos tornar novamente humanos.

christ-e1489453045131.jpg

2 – Como é que nos fazemos ver? Como é que nos fazemos amar? Como é que nos tornamos importantes para os outros? Ou essenciais nas suas vidas? Pela grandeza? Pelo poder? Pela capacidade económica? Pelas muitas qualidades que temos? Mas como? Pela capacidade de controlar os outros ou pela esperteza em os enganar?

O Pobre de Nazaré de tão pobre que era que deu a Sua vida por inteiro, a favor de todos. Jesus fez-Se ver pela delicadeza, pela ternura, pelo sorriso e pelas lágrimas, pela comoção, pela proximidade física e afetiva. N'Ele vê-se o rosto de um Deus novo, não inventado, mas um Deus revelado em palavras e em gestos de misericórdia, de perdão, um Deus de amor, um Deus que é Pai e nos ama com amor de Mãe, que Se entrega, que Se gasta e desgasta a favor de cada um. Cada pessoa vale tudo para Deus. É Jesus quem no-lo mostra.

Os mais importantes? Os mais sábios? Os mais poderosos? Os mais saudáveis? Para Deus, diz-nos Jesus, valemos tudo! Valemos todos! Mas a prioridade são os desvalidos. Quem fizer mal a um dos mais pequeninos, aos mais frágeis, é a Jesus que faz mal, é de Jesus que não cuida, é a Jesus que não presta atenção.

 

3 – Há quem se imponha pela delicadeza! Há quem se afirme pela prepotência! Existe quem se coloque em primeiro lugar, à frente de tudo e de todos! Existe quem faça questão de colocar os outros em primeiro lugar! Há quem precise de forçar e há quem se afirme naturalmente pela bondade e pela atenção aos seus semelhantes.

Os outros são uma bênção de Deus ou, como diria Sartre, o inferno? Como é que fez Jesus? Como é que eu faço?

Para Jesus o primeiro lugar é dos simples, dos pobres, dos perseguidos, dos pacificadores, dos que promovem a justiça e usam de misericórdia. O caminho: serviço, amor e perdão. A Jesus faz-Lhe espécie que doutores da Lei exijam mais que a Palavra de Deus e que obriguem os outros a cumprir quando os próprios não o fazem. Mete-lhe confusão que usem a religião em benefício próprio.

«Aquele que for o maior entre vós será o vosso servo. Quem se exalta será humilhado e quem se humilha será exaltado». É a postura de quem serve, de quem se dá, de quem se afirma pelo serviço e pelo amor, considerando os outros como irmãos. Não somos nem mestres nem senhores, somos filhos do mesmo Deus, do mesmo Pai.


Textos para a Eucaristia (ano A): Mal 1, 14b – 2, 2b. 8-10; Sl 130 (131); 1 Tes 2, 7b-9. 13; Mt 23, 1-12.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Relógio

Pinheiros - Semana Santa

- 29 março / 1 de abril de 2013 -

Tabuaço - Semana Santa

- 24 a 31 de abril de 2013 -

Estrada de Jericó

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D

Velho - Mafalda Veiga

Festa de Santa Eufémia

Pinheiros, 16/17 de setembro de 2012

Primeira Comunhão 2013

Tabuaço, 2 de junho

Profissão de Fé 2013

Tabuaço, 19 de maio