Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Escolhas & Percursos

...espaço de discussão, de formação, de cultura, de curiosidades, de interacção. Poderemos estar mais próximos. Deus seja a nossa Esperança e a nossa Alegria...

Escolhas & Percursos

...espaço de discussão, de formação, de cultura, de curiosidades, de interacção. Poderemos estar mais próximos. Deus seja a nossa Esperança e a nossa Alegria...

11.09.08

Aniversário natalício de D. JACINTO

mpgpadre

                                         O Bispo da nossa Diocese, D. Jacinto, completa, esta quinta-feira, dia 11 de Setembro, mais um aniversário. Associamo-nos com ele em oração, para que se encontre com saúde, paz e bem e que os trabalhos pastorais sejam profícuos.

        Pode ler a entrevista do nosso Bispo, concedida à Agência Ecclesia, aquando dos 50 anos de sacerdócio, clebrados no passado dia 15 de Agosto:

       No dia 15 de Agosto, completam-se 50 anos sobre a ordenação sacerdotal do Bispo de Lamego, D. Jacinto Botelho. Nascido a 11 de Setembro de 1935, na localidade de Prados de Cima (Moimenta da Beira), o prelado desfia as suas memórias em entrevista à Agência ECCLESIA.

Agência ECCLESIA (AE) – No ano em que celebra as suas bodas de ouro sacerdotais recebe a chave de ouro do município de Moimenta da Beira. Os seus conterrâneos ainda se recordam da criança que viram nascer?
D. Jacinto Botelho (JB) – Os meus contemporâneos recordam-se perfeitamente do meu tempo de criança, jovem e adolescente. Lembram-se do tempo que frequentei o seminário. Habituaram-se a ver-me crescer, mas dentro de uma normalidade própria de qualquer outro cidadão. 

 
Agência Ecclesia – Como era o jovem Jacinto quando andava na escola?
D. Jacinto Botelho – A minha mãe era professora, mas nunca me deu aulas. Na altura existiam as escolas masculina e a feminina. Como era filho de uma professora existia algum respeito, mas sempre com proximidade.
AE – E as brincadeiras da época?
JB – Gostava muito de brincar com os meus irmãos. Não faltavam brincadeiras que pudéssemos realizar.
AE – Foi aí que nasceu a sua vocação?
JB – Nasceu na altura da Escola Primária. Chamo-me Jacinto porque nasci no dia de S. Jacinto e porque o pároco da minha freguesia se chamava Jacinto. Um padre que marcou as pessoas da altura. Recordo-me que ele próprio se ofereceu para meu padrinho de Baptismo. A relação com o pároco e outros sacerdotes que passavam lá por casa ajudou na minha descoberta vocacional. Eram outros tempos...
AE – Recorda-se bem desse tempo?
JB – Perfeitamente. Passaram, na minha casa, muitos sacerdotes que tiveram um papel muito significativo na minha vocação.
AE – Entrou em que seminário?
JB – Fui com dez anos para o Seminário de Resende e, posteriormente, para o Seminário Maior de Lamego.
AE – Neste percurso vocacional nunca teve indecisões?
JB – Durante a minha vida tive momentos em que a vontade de avançar para adiante eram mais fortes. Noutras, sentia que a vontade não era assim tão manifesta. Tive momentos de indecisão, mas felizmente tudo isso foi vencido e superado. Estes passos fazem parte de um discernimento que necessitamos de fazer.
AE – Qual foi o seu mestre espiritual?
JB – No Seminário Menor de Resende foi um sacerdote muito piedoso. No Seminário de Lamego foi um sacerdote que, depois, foi bispo de Leiria-Fátima, D. Alberto Cosme. Na altura era director espiritual do Seminário Maior de Lamego.
AE – O que bebeu concretamente desses mestres?
JB – Muita sabedoria e uma profunda espiritualidade.
AE – Não esquecendo que eram tempos difíceis. Vivíamos em ditadura e a Europa estava em pedaços com o pós II Guerra Mundial.
JB – É verdade. Entrei no Seminário em 1946 e fui ordenado doze anos depois. Foram tempos difíceis mesmo do ponto de vista material.
AE – Fome?
JB – Fome, propriamente, não digo, mas foi o tempo do racionamento. As pessoas compravam géneros alimentícios através de senhas. Depois fazia-se a distribuição às pessoas mediante aquela senha. Tempos difíceis...
AE – Andava descalço?
JB – Não andava, mas muitos companheiros meus andavam descalços.
AE – Estes tempos deixaram-lhe marcas?
JB – Cresci naquele ambiente. Em minha casa assinava-se o jornal «Novidades». A Rádio não era tão divulgada como hoje, no entanto habituei-me a ouvir as notícias: o avanço dos Aliados (II Guerra Mundial). Estes já estão a tantos quilómetros de Berlim... Acontecimentos que me marcaram. Não vivíamos em clima de guerra, mas com uma certa preocupação.
AE – Os seus pais eram assinantes do jornal «Novidades». Uma forma de evangelizar através da Comunicação Social?
JB – Apesar de chegar com algum atraso, foi um instrumento muito útil de evangelização familiar. Era lido e apreciado. Aquilo que o jornal dizia – era, de certo modo, a voz das pessoas ligadas à Igreja – era absorvido. Serviu para formar os meus pais, a mim e aos meus irmãos.
AE – Sem esquecer que na altura existia a censura.
JB – Eu não colocava esse problema.
AE – Sendo da região do Douro, não ajudavam nos trabalhos agrícolas?
JB – Às vezes acompanhava o meu pai nas idas aos campos para contactar com os nossos assalariados. Gostava de ver os trabalhos agrícolas. Era um tempo de aprendizagem.
Sacerdote
AE – Passado esse tempo da juventude, foi ordenado sacerdote para a diocese de Lamego.
JB – Fui ordenado no ano em que morreu o Papa Pio XII (1958). De seguida fui estudar para Roma – na Universidade Gregoriana – para preparar-me em História Eclesiástica. Recordo, perfeitamente, da eleição do Papa João XXIII. Começou a ter novas formas de contacto com as pessoas e muito próximo da gente de Roma. Uma vez foi à universidade onde eu estava como aluno e mostrou muita proximidade.
AE – E anunciou, no início do seu pontificado, o II Concílio do Vaticano.
JB – O anúncio aparece logo após a realização do Sínodo de Roma que deixou muita exigência em várias áreas da Igreja. Na altura do Concílio, eu já não estava em Roma, já tinha acabado os estudos.
AE – Passados quarenta anos deste grande acontecimento eclesial, não estamos ainda atrasados na sua aplicação?
JB – Em muitas coisas estamos. Até mesmo na consciência de sermos membros da Igreja. Na consciência de um laicado responsável e coerente. Temos de continuar a lutar, não para um novo concílio, mas para que este se consiga implantar em todos os meios.
AE – Nota-se que sente nostalgia de João XXIII.
JB – Era uma Papa muito simpático e muito próximo. Assisti à sua eleição e estava na Praça de S. Pedro quando apareceu fumo branco. Contemplei com os meus olhos esta realidade. Vibrei com aquele acontecimento.
AE – Depois da sua formação em História Eclesiástica voltou para a diocese que o viu nascer.
JB – Vim para o Seminário. Fazia parte da equipa formadora como reitor e bastante mais tarde assumi a responsabilidade do Seminário. Depois fui Vigário Episcopal para os Leigos, Vigário Geral-Adjunto e Vigário Geral. Também fui pároco.
AE – A questão dos leigos e da família sempre foi uma preocupação da sua parte?
JB – Sempre foi uma preocupação que tive. João Paulo II dizia que uma autêntica pastoral da Igreja tem de ser uma pastoral familiar.
AE – Apesar da formação em História nunca exerceu a actividade docente?
JB – Fui professor de história eclesiástica no seminário. Nos estudos escolhi a parte moderna da história.
AE – Nunca se dedicou à investigação?
JB – Em Roma, sim. Em Portugal, não.
AE – Perdeu-se um padre professor e ganhou-se um padre pastor.
JB – É a realidade da vida.
Bispo
AE – Até que foi nomeado para bispo-auxiliar de Braga. Recorda-se desse momento?
JB – Perfeitamente. Era bispo desta diocese, D. Américo Couto de Oliveira. Um dia, estava a dar uma aula no Seminário e recebo uma notícia a pedir-me para ir falar com certa urgência com D. Américo. Após a aula, passei pelo Paço Episcopal e D. Américo disse-me que a Nunciatura precisava de saber, até amanhã de manhã, a minha resposta porque o Papa tinha-me nomeado para bispo-auxiliar de Braga. Fiquei muito ansioso...
AE – E refugiou-se em oração?
JB – Passei por um convento dominicano de clausura e pedi-lhes: há uma intenção de responsabilidade que recomendava à oração das irmãs.
AE – E nasceu o sol do dia seguinte...
JB – Recordo-me que quando cheguei ao Paço Episcopal, D. Américo já tinha recebido um telefonema da Nunciatura a perguntar pela resposta. Dei o meu sim com serenidade.
Fui ordenado a 20 de Janeiro de 1996, festa do nosso padroeiro, S. Sebastião.
AE – E partiu para Braga.
JB – Estive lá quatro anos. Foi uma experiência muito rica.
AE – A escola episcopal?
JB – Todos foram excelentes professores. Trabalhávamos em equipa.
AE – Depois voltou às suas raízes?
JB – É verdade. Sinto-me acarinhado por estas gentes.
AE – Mas existem dificuldades pastorais?
JB – É uma zona marcada pela interioridade e pela emigração. Este processo migratório voltou novamente. As pessoas válidas, do ponto de vista físico e intelectual, procuram noutros lugares o meio para singrar na vida. Há um envelhecimento cada vez mais acentuado.
AE – Perante este cenário, conclui-se que a Igreja de Lamego evangeliza, essencialmente, a terceira idade.
JB - É verdade. É uma pastoral de terceira vida.
AE – O que fazer para estancar estes fluxos migratórios?
JB - São necessários investimentos, mas também não podemos esquecer que esta região é essencialmente rural.
AE – E o turismo duriense?
JB – A riqueza turística é impar. É um rio que serpenteia os montes. Temos também um rico património artístico.
AE – Não esquecendo os mosteiros abandonados?
JB – Há uma vontade para recuperar estes mosteiros. Não para voltarem a serem mosteiros, mas para instâncias turísticas.
AE – A desertificação humana preocupa-o, mas disse, recentemente, que gostava que os seus leigos dessem a cara. Eles não dão a cara por estes problemas?
JB – Muitos não podem dar a cara porque têm uma certa idade. É fundamental políticas de valorização desta zona.
AE – O D. Jacinto Botelho é um bispo de gabinete ou de andar na rua?
JB – A vida de um bispo é estar em contacto com as comunidades. Gosto de estar próximo das pessoas.
AE – Nas celebrações dos seus 50 anos de sacerdócio recebeu do município de Moimenta da Beira a «chave de ouro». Ouro sacerdotal com chave de ouro?
JB – O ouro é o símbolo da fidelidade. Oxalá termine com a chave de fidelidade.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Relógio

Pinheiros - Semana Santa

- 29 março / 1 de abril de 2013 -

Tabuaço - Semana Santa

- 24 a 31 de abril de 2013 -

Estrada de Jericó

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Velho - Mafalda Veiga

Festa de Santa Eufémia

Pinheiros, 16/17 de setembro de 2012

Primeira Comunhão 2013

Tabuaço, 2 de junho

Profissão de Fé 2013

Tabuaço, 19 de maio