Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Escolhas & Percursos

...espaço de discussão, de formação, de cultura, de curiosidades, de interacção. Poderemos estar mais próximos. Deus seja a nossa Esperança e a nossa Alegria...

Escolhas & Percursos

...espaço de discussão, de formação, de cultura, de curiosidades, de interacção. Poderemos estar mais próximos. Deus seja a nossa Esperança e a nossa Alegria...

27.01.18

Sei quem Tu és: o Santo de Deus

mpgpadre

1 – Jesus não nos quer pela rama, quere-nos com o que somos e com o que fazemos. Por conseguinte, também Ele não Se dá aos bocadinhos, a prestações, entrega-Se como nos quer, por inteiro, gastando-Se até à última gota de sangue. Não há meio-termo!

A nossa vida é um caminho nunca acabado. Enquanto vivemos, no tempo e na história, há sempre aspetos da nossa vida pessoal, familiar, profissional, em que podemos e devemos crescer, desenvolver as capacidades, fazer com que os dons e os talentos se multipliquem. Vivemos, se quisermos ser honestos, em dinâmica de conversão.

A encarnação de Cristo e a Sua vinda como Um de nós, tem como propósito salvar-nos integralmente, alma, corpo e espírito. O Seu ministério é um serviço de salvação completa, curando-nos das feridas corporais e espirituais, restaurando a nossa dignidade e identidade original, assumindo-nos como irmãos, filhos do mesmo Pai.

O povo que vivia nas trevas viu uma grande Luz. Jesus vem iluminar a vida. Passa pelo mundo fazendo o bem. Leva a Boa Nova aos pobres, cura os doentes, sara os leprosos, convive com os excluídos: pecadores e publicanos, crianças e mulheres de má vida, doentes e estrangeiros. Faz-Se acompanhar por um bando de maltrapilhos, sem excluir ninguém. Entre os Seus apóstolos contam-se pobres, assalariados; proprietários, como Tiago e João; alguns com mais cultura como Filipe que falava grego, ou bons gestores, como Judas Iscariotes. Os que primeiro se apaixonam por Jesus, pelas Suas palavras e proceder, são pessoas despretensiosas, simples, algumas delas magoadas pela vida, mas ainda assim prontas a confiar em Alguém que traz a Luz da proximidade, da compreensão, do perdão e do amor.

EvangelhoDia14012014.jpg

 2 – O Profeta da Alegria ensina com autoridade. Autoridade que Lhe vem do alto, pois faz o que viu fazer ao Pai e concretiza as obras do Pai, não tendo a preocupação de Se exibir. A autoridade firma-se na coerência das palavras e dos gestos. As palavras que profere são acompanhadas com gestos de libertação, acolhendo, abraçando, tocando as pessoas com marcas da doença, do pecado e da morte! Sem preconceitos! Sem receio de ser apontado ou contagiado pelo mal ou pela maldade, mas confiante em contagiar com o Seu amor e com a Sua bondade todos os que vai encontrando no caminho.

A vida não para. Jesus não para. Quer que todos conheçam o Seu Pai, para Se deixarem transformar, pelo cuidado e, por sua vez, se tornem cuidadores!

Chegou a Carfanaum. Não terá muito tempo para o descanso, mas também não vive na azáfama de "mudar" o mundo de uma só vez e de forma milagreira. No sábado seguinte entrou na sinagoga, concluindo-se que nada de extraordinário aconteceu nos dias anteriores. Algum sossego: Jesus está e quer estar connosco, na festa e na rotina, no nosso dia-a-dia, mesmo que passe impercetível. Mas está no meio de nós. Caminha connosco. Está tão embrenhado no mundo que até podemos não O reconhecer! E aí já se torna preocupante!

Na Sinagoga está um homem com um espírito impuro! Nada do outro mundo. Maior que todos os espíritos impuros ou que todos os demónios, é Jesus. Todo o poder e toda a glória Lhe foram dados no Céu e na Terra. Não temais, Eu venci o mundo! O filho do Homem derrotou o Príncipe das trevas! É uma garantia dada por Jesus e nós ainda andamos tão acabrunhados a pensar que os demónios têm mais poder que Jesus! Era o que mais faltava. Onde habita Cristo não há lugar para demónios, há lugar, isso sim, para a vida, para a luz, para o amor, para a paz, para o bem, ainda que haja sofrimentos e contrariedades, ainda haja hesitações e dúvidas. Deus é maior. Jesus é maior! Maior que qualquer espírito impuro! Maior pelo Amor!

 

3 – O testemunho do espírito impuro acerca de Jesus é eloquente: «Sei quem Tu és: o Santo de Deus». Ou seja, nem a "impureza" deve impedir o reconhecimento da grandeza de Deus. Nós que fomos resgatados pela água e pelo Espírito Santo, imersos no mistério da Sua morte e ressurreição, mais razões temos para testemunhar o Seu amor e o Seu perdão e as maravilhas que Ele realiza no mundo, contando comigo e contigo, contando com todos.


Textos para a Eucaristia (ano B): Deut 18, 15-20; Sl 94 (95); 1 Cor 7, 32-35; Mc 1, 21-28.

 

20.01.18

Cumpriu-se o tempo e está próximo o reino de Deus

mpgpadre

1 – Já todos ouvimos e/ou dissemos a alguém: tu és um troca-tintas, mudas de opinião como quem muda de camisa! Se somos nós a dizê-lo é porque nos sentimos incomodados com o outro, com as suas opiniões ou opções, porque não nos convém, porque nos provoca e desinstala (positiva ou negativamente). Se os outros o dizem de nós é porque não nos compreendem, é porque são conservadores e querem ficar sempre na cepa-torta ou são casmurros, pois não compreendem e não querem compreender, só porque discordámos deles ou as nossas escolhas os afetam (positiva ou negativamente).

Há um ditado oriental que diz que só não mudam os sábios e os burros. Como nenhum de nós está nesse extremo, e a tendência será a sabedoria do coração, estamos sempre a tempo de mudar, de alterar o rumo da nossa vida, de corrigir o caminho percorrido, de amadurecer as nossas convicções e as nossas escolhas. Com efeito, a verdadeira sabedoria leva-nos a considerar as nossas limitações e a assumir humildemente que estamos a caminho. Sempre poderemos aprender.

No plano da fé, a consciência que estamos a caminho, como peregrinos, é garantia para permitirmos a presença de Deus na nossa vida. Sede perfeitos como o Vosso Pai celeste é perfeito é um desafio permanente, nunca alcançável, que nos compromete a uma identificação progressivamente a Jesus Cristo e ao Seu mandamento de amor. Cabe-nos a inquietação de quem procura. Importa que nunca nos resignemos concluindo que tudo na nossa vida está realizado, como se a vida não tivesse mais nada para nos dar e nós não tivéssemos mais nada a dar à vida e aos outros! A humildade consiste precisamente nesta abertura à graça de Deus, a esta consciência que até à eternidade somos seres humanos, portanto, limitados, finitos, frágeis. Mas uma fragilidade que se abre para os outros e para Deus, engrandecendo-nos, irmanando-nos e humanizando-nos.

11.jpg 

2 – Uma pessoa sem convicções é como um barco à deriva, desliza ao sabor das marés. Ainda assim, as convicções podem ser amadurecidas, com diferentes variantes a serem alteradas, corrigidas, aperfeiçoadas. Sublinhe-se, todavia, que uma pessoa que tenha convicções e ideias bem definidas tem mais facilidade no diálogo com os outros, podendo acolher ideias e opções diferentes e até modificar as suas opções pela constatação do que sabe, pela abertura ao que vem dos outros e pela justeza das ideias defendidas. Não se pode pedir a alguém para mudar se ela não sabe onde está, não sabe o que quer, não sabe para onde vai! Então iria mudar o quê?

«Cumpriu-se o tempo e está próximo o reino de Deus. Arrependei-vos e acreditai no Evangelho». São as primeiras palavras de Jesus no evangelho de São Marcos, que nos informa que, depois da prisão de João Batista, Jesus parte para a Galileia e começa a proclamar o Reino de Deus. Jesus estaria pela Judeia, seguindo de perto o ministério do Precursor. Alguns estudiosos referem que Jesus integrava o grupo de seguidores e simpatizantes de João Batista, preparando-Se para assumir o Seu próprio caminho e ministério. Com a prisão de João, Jesus “sabe” que o Seu tempo chegou!

Pondo-nos à escuta da pregação e do ministério de João Batista percebemos como prepara e antecipa a missão de Jesus, com um apelo premente à conversão, à mudança de vida, ao arrependimento e à penitência. Assim é também o batismo que realiza, em contraponto com o batismo futuro que prevê com a chegada do Messias, um batismo novo, na água mas também no fogo e no Espírito Santo.

As palavras de Jesus não nos convocam para uma mudança de regime, de política, de ideologia, mas a mudarmos a própria vida, passando das trevas à luz, do pecado à santidade e ao compromisso com os irmãos, da indiferença à compaixão, da violência à ternura, do egoísmo ao amor e serviço ao próximo, do individualismo à comunhão, à partilha solidária, da vingança e da coscuvilhice à compreensão, ao perdão e à inclusão.


Textos para a Eucaristia (ano B): Jonas 3, 1-5. 10; Sl 24 (25); 1 Cor 7, 29-31; Mc 1, 14-20.

 

13.01.18

«Eis o Cordeiro de Deus».

mpgpadre

1 – Jesus chama-nos mas não nos quer de qualquer maneira, quere-nos de corpo e alma. Aceita o nosso pecado e as nossas limitações, aceita-nos como somos, com as nossas dúvidas e hesitações, com os nossos falhanços e com os nossos esforços, compreende os nossos avanços e recuos, o nosso entusiasmo e o nosso medo, as nossas certezas e o nosso peregrinar por vezes titubeante, mas não nos quer pela rama, quere-nos envolvidos, mergulhados na Sua palavra, procurando, apesar de tudo, fazer o bem. Por conseguinte diz-nos ao que vem. Não faz campanha (eleitoral), não usa muito palavreado nem argumentos para nos levar a aderir à Sua mensagem.

Vinde ver! É a Sua resposta! Podia passar umas horas a explicar a razão e a importância do seguimento! Jesus sabe que mais facilmente imitamos comportamentos do que seguimos conselhos, então nada melhor do que ver como Ele vive, como gasta o Seu tempo, como reage às diferentes situações da vida. O apóstolo só o é verdadeiramente se for discípulo, se se mantiver perto do Mestre, pela oração, pela imitação da Sua postura: Vai e faz tu também do mesmo modo.

1102014617_univ_lsr_xl.jpg

2 – Para seguir Jesus não bastam algumas informações sobre Ele, mas mergulhar a nossa vida na Sua vida. Luminosa, a propósito, a Boneca de Sal, uma fábula de Anthony de Mello.

Era uma boneca feita de sal. O seu maior sonho era ver o mar. Ficava dias e noites embrenhada nos pensamentos, tentando imaginar a imensidão e a beleza do grande oceano, sentindo uma grande nostalgia, a "saudade" de algo que conheceria apesar de tão longínquo: as suas raízes, a sua origem.

Um certo dia, decidiu partir. Foi uma busca árdua, saciando pontualmente a sua sede nas fontes e nos riachos, nos lagos e nos rios. Por fim chegou a um areal, uma praia à beira mar. Como era imenso e apelativo aquele mar! E como era misterioso! Parecia que a água salgada e o mar já a habitavam por dentro. Ali ficou, perdida em contemplação, e foi dialogando com o mar: Diz-me, quem és tu?

– Sou o mar.

– Mas o que é o mar?

– Sou eu!

– Explica-me melhor, por favor! Deixa-me perceber, deixa-me conhecer-te...

– É simples: toca-me.

A boneca, extasiada, mas um pouco a medo, avançou e deixou que os seus pequenos pés fossem acariciados pela areia, pela água, pela espuma esbranquiçada. E – surpresa! – começava a compreender qualquer coisa... Quando, porém, pôs os olhos no chão, apercebeu-se, assustada, que os seus pés haviam desaparecido. Protestou aflita: «Oh! Que fizeste tu? Onde estão os meus pés?» O mar replicou: «Porque choras? Apenas foi necessário ofereceres um pouco de ti para poderes compreender».

A boneca refletiu e serenou. Entendia um pouco mais. Então, decidida avançou. A água começou lentamente a cobrir partes do seu corpo que dolorosamente se desvaneciam. Quanto mais avançava mais profundamente compreendia, apesar de ainda não ser capaz de dizer o que era o mar. Uma outra vez inquiriu: «O que é o mar?»

Uma última onda arrebatou o que restava dela. E, precisamente, naquele derradeiro momento em que desaparecia na imensidão do mar, a boneca exclamou: Sou eu!

 

3 – Depois do batismo, Jesus passa a anunciar às claras a Boa Nova da presença de Deus no meio de nós. O Evangelho aponta, com João Batista, para Jesus: «Eis o Cordeiro de Deus».

Ouvindo João, os seus discípulos passam a seguir Jesus. Timidamente, perguntam-Lhe: Rabi, onde moras? Jesus não se demora numa explicação, mas faz-lhes uma proposta: Vinde ver. Eles foram e ficaram com Ele nesse dia. Conhecer Jesus implica habitar com Ele e deixar-se habitar por Ele, deixar que os Seus pensamentos, palavras e gestos se agarrem aos seus corpos e às suas vidas. E à nossa vida!

O encontro com Jesus desencadeia a missão. André vai chamar o seu irmão Simão. O encontro com Jesus é essencial para o seguimento, deixando-se fitar por Ele, como aconteceu com Pedro: «Tu és Simão, filho de João. Chamar-te-ás Cefas». O chamamento não é para umas férias em casa de Jesus, mas é para entranhar a própria vida na Sua vida para depois O testemunhar e transparecer.


Textos para a Eucaristia (ano B): 1 Sam 3, 3b-10. 19; Sl 39 (40); 1 Cor 6, 13c-15a. 17-20; Jo 1, 35-42.

06.01.18

Nós vimos a sua estrela no Oriente e viemos adorá-l’O

mpgpadre

1 – Do Oriente, diz-nos Mateus, chegam a Jerusalém uns Magos, por ocasião do nascimento de Jesus em Belém da Judeia. «Onde está o rei dos judeus que acaba de nascer? Nós vimos a sua estrela no Oriente e viemos adorá-l’O». A pergunta é acompanhada de um propósito: adorar Aquele que nasceu.

Vêm de onde? Do Oriente, isto é, de todo o mundo. Só se conheciam povos a Oriente; a Ocidente, água e mar. Por conseguinte, os Magos foram adquirindo ao longo do tempo nomes e cor de pele diferente, para significar/representar as nações do mundo inteiro.

Quantos eram? A tradição mais popular popularizou-os em três, a conta que Deus fez. Porém, o Evangelho só se refere a Magos! Serão dois? Serão três? Quatro? Talvez! Ou cinco ou seis, eu e tu também queremos estar lá para adorar o Senhor Jesus!

Quem são os Magos? Eu e tu? Podemos ser todos! São Reis ou são Magos? São sábios! Hoje seriam os homens da ciência e da cultura. Jesus veio para os pastores! Veio para mim e para ti. Veio para os Magos! Veio por mim, por ti e por todos e todos somos convidados a adorá-l'O, reconhecendo-O como Deus, para nos reconhecermos iguais e caminharmos fraternalmente. Os Reis ficam descansados, fartos, acomodados no Palácio! Os magos são buscadores da luz e da verdade! No final, é um Rei que encontram! Mas um Rei-Menino, pobre, simples, Deus, despojado, sem ouro nem adornos.

Que presentes dar? O melhor que têm! Ouro, Incenso e Mirra. Divindade, Realeza, Humanidade. Reconhecimento do mistério que se desvela e se esconde n'Aquela criança. O facto de serem três presentes, levou a tradição a considerar que os magos eram tantos quantos os presentes que deram a Jesus! Talvez tenhamos que colocar aos pés do Menino-Deus mais alguns presentes para lá cabermos também nós: o nosso olhar, o nosso coração, a nossa vida! A minha e a tua!

Na Eucaristia rezamos para que seja Ele o nosso presente: «Olhai com bondade, Senhor, para os dons da vossa Igreja, que não Vos oferece ouro, incenso e mirra, mas Aquele que por estes dons é manifestado, imolado e oferecido em alimento, Jesus Cristo».

adoracao dos magos -  Francesco Bassano - 1567-69.

2 – O encontro com Jesus provoca alegria. Com efeito, quando a estrela «parou sobre o lugar onde estava o Menino, sentiram grande alegria. Entraram na casa, viram o Menino com Maria, sua Mãe, e, prostrando-se diante d’Ele, adoraram-n’O. Depois, abrindo os seus tesouros, ofereceram-Lhe presentes: ouro, incenso e mirra».

 

3 – A vinda de Jesus ao mundo é para todos. Para mim e para ti! Certamente! Mas também para ele! Para aqueles que estão perto e para aqueles que estão longe! O desafio papal em colocar a Igreja em rota de saída, de evangelização, indo às periferias (não apenas geográficas, mas sobretudo) existenciais recorda-nos que Jesus veio para todos e a todos deve ser anunciado.

 

4 – O encontro com Jesus provoca a mudança de rumo. O encontro dos Magos com Jesus muda as suas vidas. A alegria do encontro deixo-os prostrados em adoração. Quando regressam às suas terras, regressam por outro caminho, percebendo que não podem voltar aos mesmos lugares. Num primeiro plano, não podem regressar ao palácio, pois Herodes tem o propósito de matar o Menino. Num plano mais abrangente, o encontro é de tal forma luminoso e redentor que a vida nunca será como dantes. A Luz que os guiou está mais viva, mais dentro, levá-los-á mais longe! Há que rasgar novos horizontes, novas vias, estradas e avenidas!

Predisponhamo-nos a seguir a Estrela de Belém, a seguir a Luz que é Jesus e a deixarmo-nos guiar por Ele. «Senhor Deus omnipotente, que neste dia revelastes o vosso Filho Unigénito aos gentios guiados por uma estrela, a nós que já Vos conhecemos pela fé levai-nos a contemplar face a face a vossa glória». E, uma vez inundados pela Luz de Jesus, deixemos que a luz passe para os outros.


Textos para a Eucaristia (ano B): Is 60, 1-6; Sl 71 (72); Ef 3, 2-3a, 5-6; Mt 2, 1-12.

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Relógio

Pinheiros - Semana Santa

- 29 março / 1 de abril de 2013 -

Tabuaço - Semana Santa

- 24 a 31 de abril de 2013 -

Estrada de Jericó

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D

Velho - Mafalda Veiga

Festa de Santa Eufémia

Pinheiros, 16/17 de setembro de 2012

Primeira Comunhão 2013

Tabuaço, 2 de junho

Profissão de Fé 2013

Tabuaço, 19 de maio