Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Escolhas & Percursos

...espaço de discussão, de formação, de cultura, de curiosidades, de interacção. Poderemos estar mais próximos. Deus seja a nossa Esperança e a nossa Alegria...

Escolhas & Percursos

...espaço de discussão, de formação, de cultura, de curiosidades, de interacção. Poderemos estar mais próximos. Deus seja a nossa Esperança e a nossa Alegria...

30.01.13

Preparação da Jornada Diocesana da Juventude

mpgpadre

       No passado dia 26 de janeiro, mais um encontro de preparação para a XXVIII Jornada Diocesana da Juventude, a realizar no Santuário de Santa Maria do Sabroso, paróquia de Barcos, nos dias 18 e 19 de maio. Presentes a equipa do SDPJ Lamego, e jovens de algumas das pároquias do Arcipretado/Concelho de Tabuaço, servindo já para distribuir algumas tarefas por diferentes grupos.

       Depois da oração inicial, a apresentação de várias propostas, procurando depois comprometer os jovens, e as diferentes paróquias.

       Qualquer atividade, eclesial, cultural, social, vale muito pela preparação. Aqueles que se envolvem no antes saborearão com mais intensidade e alegria o acontecimento.

       Ficam algumas imagens deste dia:

Outras imagens das reuniões de preparação da Jornada: AQUI

29.01.13

Escola da Fé - ORAÇÃO/TAIZÉ - SDPJ de Lamego

mpgpadre

        Com anunciado, no passado dia 25 de janeiro, a ESCOLA da FÉ abriu as portas para mais um momento de oração, ao estilo de Taizé, pela mão do Secretariado Diocesano da Pastoral Juvenil de Lamego (SDPJ Lamego). Procurando responder a uma das proposta do nosso Bispo, D. António Couto, a Escola da Fé pretende ser uma espaço formativo, aberto a todos, oportunidade para jovens e adultos aprofundarem as razões da sua fé, ocasião para testemunhar a fé e para rezar.

        Este encontro foi mais orientado para a oração e reflexão, com cânticos em várias línguas, com adoração à santa Cruz...

        Além das pessoas de Tabuaço, a presença de jovens que acompanharam o Pe. Manuel João, e o Pe. Ricardo Barroco.

        Eis algumas das imagens, antes do início da oração.

27.01.13

O Espírito do Senhor está sobre mim

mpgpadre

       1 – Regressa São Lucas, que nos acompanhará durante este ano litúrgico e que hoje nos apresenta o seu propósito: investigar, desde o princípio, a vida de Jesus, recolher toda a informação possível depois de outros já o terem feito a partir de testemunhos oculares, para que o amigo Teófilo fique seguro do que lhe ensinaram.

       O evangelho mostra outro início, depois do Batismo e das Bodas de Caná, Jesus entra, em Nazaré, numa espiral de vida pública, de anúncio da Boa Nova. Vai à Sinagoga, ao sábado, e respeita a tradição religiosa. Dão-lhe, para ler o rolo sagrado, com o texto de Isaías: «O Espírito do Senhor está sobre mim, porque Ele me ungiu para anunciar a boa nova aos pobres. Ele me enviou a proclamar a redenção aos cativos e a vista aos cegos, a restituir a liberdade aos oprimidos e a proclamar o ano da graça do Senhor».

       Após a proclamação do texto, senta-se, para refletir aquela passagem. Estavam fixos em Jesus os olhos de toda a sinagoga. Começou então a dizer-lhes: «Cumpriu-se hoje mesmo esta passagem da Escritura que acabais de ouvir».

       2 – O texto de Lucas, seguindo o profeta Isaías, acentua a BOA NOVA da salvação e não tanto a dinâmica de juízo, ainda que este se entenda por salvífico. Aquele que julga é o Mesmo que AMA e salva. A linguagem cristã – fazendo como Lucas, voltando ao início, ao contexto em que vive Jesus e os seus discípulos –, há de ser sobretudo positiva, num olhar carregado de esperança, de alegria, sabendo da proximidade da salvação.

       Há situações na vida que não permitem exuberância. Porém, a certeza de nos sentirmos salvos em Jesus Cristo, permite-nos viver confiantes. Nem as alegrias nos colocam na lua, nem as tristezas nos levam ao inferno. Deus conduz a história e a garante a nossa vida para lá das oscilações do tempo presente. No entanto, esta garantia de Deus passa pelo nosso empenho em tornarmos visível no mundo inteiro o ROSTO e a PRESENÇA de Deus.

 

       3 – Não estamos sós, nesta peregrinação pela vida e pelo tempo. Deus, em Jesus, faz-Se um de nós, entranhando-se na vida humana e ensinando-nos a viver humanamente.

       Não estamos sós, há uma multidão de santos que nos precede, que exemplifica a vivência da fé, e que junto de Deus ilumina a nossa caminhada. Questionava Bento XVI, ao inaugurar o Seu pontificado: “E agora, neste momento, eu, frágil servo de Deus, devo assumir esta tarefa inaudita, que realmente supera qualquer capacidade humana. Como posso fazer isto?” E continuava: “não estou sozinho. Não devo carregar sozinho o que na realidade nunca poderia carregar sozinho. Os numerosos santos de Deus protegem-me, amparam-me e guiam-me. E a vossa oração, queridos amigos, a vossa indulgência, o vosso amor, a vossa fé e a vossa esperança acompanham-me”.

       Quando Jesus Se levanta para ler e para refletir a palavra de Deus, repete a Sua pertença ao POVO da Aliança. Quando, em cada Domingo, nos levantamos para escutar o Evangelho e nos sentamos para meditar, atualizamos o mistério que nos liga à humanidade, reunida para acolher Deus e a Sua mensagem de amor.

 

       4 – Na comunidade todos têm missões diferentes.

       “Assim como o corpo é um só e tem muitos membros, assim sucede também em Cristo. Na verdade, todos nós – judeus e gregos, escravos e homens livres – fomos batizados num só Espírito para constituirmos um só corpo e a todos nos foi dado a beber um só Espírito” (segunda leitura).

       Note-se, por exemplo, um aspeto que diferencia João Batista e Jesus Cristo. João “obriga” o Povo a reentrar na Terra Prometida. Conversão, penitência, mudança de vida, para “merecer” a Terra prometida. Jesus é a própria Terra Prometida que Deus nos dá por herança, gratuitamente. Está no centro, entre nós, atraindo as margens para Si, para que todos O possam encontrar. Ele vê-Se bem.


Textos para a Eucaristia (ano C): Ne 8, 2-4a.5-6.8-10; 1 Cor 12, 12-30; Lc 1, 1-4; 4, 14-21.
 

Reflexão Dominical COMPLETA na Página da Paróquia de Tabuaço

e no nosso blogue CARITAS IN VERITATE

24.01.13

Boletim Paroquial Voz Jovem - janeiro 2013

mpgpadre

       Com o aproximar do fim do mês, a edição do boletim paroquial VOZ JOVEM, deste primeiro mês do ano de 2013.

       O editorial, nuima referência incontornável apresenta ROSTOS do ano da Fé, com destaque para o padroeiro da Diocese de Lamego, São Sebastião. Nas páginas centrais, a 2 e 3, a Peregrinação a Roma, no Encontro Internacional Taizé, na passagem de 2012 para 2013, e o dia de formação YOUTRAVEL - a viagem do Youcat pelas Dioceses portugueses, para dar a conhecerp Catecismo Jovem da Igreja Católica, para se converter em ferramento de ajuda à catequese e aos encontros juvenis.

       Na última página, para lá da refleão bíblica, notícias/informações de interesse para a comunidade paroquial de Tabuaço.

       O Boletim poderá ser lido a partir da página da paróquia de Tabuaço, ou fazendo o download:

24.01.13

Santuário da Virgem Mártir Santa Eufémia de Penedono

mpgpadre

       Muito útil para todos os que desejam conhecer a vida de santa Eufémia, Virgem e Mártir, e no caso concreto também a devoção no Santuário de Penedono, dedicado precisamente a esta santa.

       O Pe. Luciano Moreira, pároco de Penedono, e consequentemente responsável pelo Santuário de Santa Eufémia de Penedono, apresenta-nos este magnífico subsídio que nos permite conhecer a devoção a Santa Eufémia, nesta região, em Portugal, na Europa e pelo mundo. Situa-nos na veneração dos santos e dos mártires, na forma como se vai espalhando a devoção, lê também algumas confusões quando surgem santos com o mesmo nome. Mostra como a devoção a Santa Eufémia se espalha em Penedono, e como se foram alterando as promessas e e os dotes, a relação entre a Igreja e o Estado, na adminstração do Santuário, obras e aumento do espaço, perspetivas para o futuro.

       Porque tínhamos muita curiosidade, pelo facto de termos ao nosso encargo a Paróquia de Santa Eufémia de Pinheiros, lemos o texto de uma acentada. Vale a pena. Lê-se bem. É perceptível. Ajuda a compreender a forma de viver a fé e como as manifestações de piedade podem ser uma escola de fé, de dor, de partilha, de encontro.

       Saleinte-se também que na Diocese de Lamego existem dois santuários dedicados a santa Eufémia, o de Penedono e o de Parada do Bispo, e uma paróquia com o orago principal, que é precismente Santa Eufémia de Pinheiros.

23.01.13

YOUTRAVEL - a viagem do YouCat, em Lamego

mpgpadre

       No sábado, 19 de janeiro, o projeto YOUTRAVEL, que andará pelo país, a divulgar o Catecismo Jovem da Igreja Católica, oportunidade para rezar e dizer a FÉ que professámos e que testemunhamos aos outros.

       Youcat é uma ferramenta, neto do Concílio Vaticano II, e filho do Catecismo da Igreja Católica, para tornar perceptível aos jovens a linguagem do Catecismo, balizando os princípios e valores fundamentais da fé cristã e da inserção à comunidade crente.

       Adaptado para os jovens, será oportuno e benéfico também para os adultos. Com a ligação ao Catecismo, com testemunhos, imagens, citações, numa apresentação muito juvenil.

       O desejo do Papa Bento XVI é que este jovem Catecismo fosse estudo, individualmente, em grupo, por jovens, catequsitas, em encontros de cristãos. O projeto YOUTRAVEL responde ao desafio do Papa. O Departamento Nacional da Juventude e a Editora Paulus fazem viajar o Youcat pelas Dioceses portugueses.

       Foi a vez da Diocese de Lamego, em encontro realizado no Centro Pastoral de Almacave, promovido pelo Secretariado Diocesano da Pastoral Juvenil e pelo Secretariado Diocesano da Catequese, contoou com jovens e catequistas da paróquia de Tabuaço e da paróquia de Barcos.

       Mais um momento de oração e formação, que reverte a favor dos participantes, mas, logicamente, a favor das comunidades de origem.

       Algumas imagens:

20.01.13

Fazei tudo o que Ele vos disser...

mpgpadre

       1 –  Com o Batismo de Jesus, no último domingo, iniciámos o TEMPO COMUM. É comum ou ordinário, mas não é um tempo vazio ou secundário, é uma oportunidade para o cristão “contemplar de perto, episódio após episódio, toda a vida histórica do seu Senhor, desde o Batismo no Jordão até à Cruz e à Glória da Ressurreição” (D. António Couto).

       Hoje acompanhamos Jesus nas Bodas de Canaã, na vida comum, no quotidiano das pessoas e das famílias. Como membro da comunidade, e certamente da família, também vai à festa. Estão todos. Sua Mãe. Os discípulos. São José já teria morrido, por isso não está presente. Onde pulsa a vida, Jesus diz presente. E a Sua presença passa a ser notada, ainda que de forma discreta, mas eficiente.

       2 – “A certa altura faltou o vinho. Então a Mãe de Jesus disse-Lhe: «Não têm vinho». Jesus respondeu-Lhe: «Mulher, que temos nós com isso? Ainda não chegou a minha hora». Sua Mãe disse aos serventes: «Fazei tudo o que Ele vos disser». Havia ali seis talhas de pedra, destinadas à purificação dos judeus, levando cada uma de duas a três medidas. Disse-lhes Jesus: «Enchei essas talhas de água». Eles encheram-nas até acima. Depois disse-lhes: «Tirai agora e levai ao chefe de mesa». E eles levaram. Quando o chefe de mesa provou a água transformada em vinho, – ele não sabia de onde viera, pois só os serventes, que tinham tirado a água, sabiam – chamou o noivo e disse-lhe: «Toda a gente serve primeiro o vinho bom e, depois de os convidados terem bebido bem, serve o inferior. Mas tu guardaste o vinho bom até agora».

        Antes de mais a delicadeza de Maria, Mãe de Jesus. Atenta. Discreta. Interventiva. Recorre a Quem deve recorrer. Confiante, cheia de graça e de fé. Intercede. E não duvida de Jesus, ainda que o Filho a chame a atenção. E dá uma ordem clara – fazei tudo o que Ele vos disser. Também é para nós esta recomendação, sabendo que se fizermos o que Ele nos disser, entramos no Seu caminho de salvação e vida nova.

       Jesus faz a Sua parte. Conta connosco. Mais uma experiência para a qual os discípulos estão convocados. O milagre acontece quando damos o melhor de nós mesmos, o que temos, mesmo que seja uma bilha de água. Deus opera a salvação em nós, transforma-nos no mais saboroso e suculento vinho para a festa. Criou-nos sem nós, como diz Santo Agostinho, mas não nos salva sem nós, sem a nossa resposta.

       O bom vinho chega com Jesus Cristo. Definitivamente está na nossa vida. Do nosso lado.

 

       3 – Celebrámos, na nossa Diocese de Lamego, a solenidade do Padroeiro principal, mártir São Sebastião, o bom soldado de Cristo.

       A vida de São Sebastião, naquilo que a tradição assimilou e transmitiu, é um exemplo como a fé ajuda a ultrapassar os obstáculos da vida e como o cristão se pode santificar nas mais diversas profissões e/ou ocupações. Mais forte que tudo, é o amor a Deus. Sebastião seria soldado romano, vinculado à guarda pretoriano do grande perseguidor da Igreja, Diocleciano, responsável por demasiados martírios de cristãos. De Milão, o jovem soldado deslocou-se para Roma, onde a perseguição era mais intensa e feroz, para testemunhar a fé e defender os cristãos.

        Primeiro cai nas graças do imperador, logo a defesa da fé cristã e a intercessão pelos cristãos perseguidos desencadeiam a sua morte, que seria com setas, estando preso a uma árvore. É deixado como morto. Entretanto uma jovem, de nome Irene (santa Irene?) passou e verificou que ainda estava vivo. Levou-o para casa e curou-lhe as feridas. Antes de estar completamente restabelecido voltou junto do imperador para defender os cristãos, condenando-lhe a impiedade e injustiça. Desta feita, foi morto através de vergastadas. É um segundo martírio. Sepultado nas catacumbas, na via Ápia, logo começou a ser venerado como santo.

        Testemunhou a fé, com coragem e alegria, a partir da sua vida, como jovem soldado, cristão. Daqui se conclui que a santidade é possível em qualquer trabalho, em qualquer compromisso humano.


Textos para a Eucaristia (ano C): Is 62, 1-5; Sl 95 (96); 1 Cor 12, 4-11; Jo 2, 1-11.

 

Reflexão Dominical COMPLETA na página da Paróquia de Tabuaço

e no nosso blogue CARITAS IN VERITATE

13.01.13

Tu és o meu Filho muito amado

mpgpadre

       1 –  A liturgia batismal, na bênção da água, apresenta referências bíblicas nas quais a água está em clara evidência. No relato da criação, melhor, nos dois relatos da criação: Deus faz separar as águas da terra para que haja vida; Deus faz chover para que a vida germine da terra. O episódio sobejamente conhecido do Dilúvio, com Noé e a construção da Barca, sendo a água um elemento destruidor – a humanidade do pecado é submersa – e a mesma água suporta e salva a Arca com Noé e a sua família. A travessia do mar vermelho marca a condenação dos soldados egípcios que a água aniquila, que simbolicamente representam o mal agora levado pela água. A mesma travessia protege o povo eleito, que passa pela água para terra firme, com Moisés. Os filhos de Israel são salvos pela água. Um dos significados possíveis do nome MOISÉS é precisamente “salvo das águas”.

       O episódio que hoje celebrámos – o batismo de Jesus no rio Jordão – é também evocado na bênção da água. João batiza o autor do batismo. É um batismo de penitência, de preparação, pois logo virá Aquele que batizará no fogo e no Espírito Santo.

       A própria palavra – baptizar –, de origem latina, significa mergulhar. O neófito entrava por três vezes na água, em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo, para que água levasse o homem velho, e dela surgisse o homem novo, nova criatura para Deus.

       2 – Quando lhe perguntam por que batiza se não é o Messias, João sublinha que o seu batismo é sobretudo chamada de atenção, apelo à conversão, à penitência, à mudança de vida. Só um coração atento, humilde, desperto para os outros, poderá reconhecer e acolher Aquele que vem de Deus, o mistério, o divino. Prepara a terra para que a semente lançada encontre o ambiente propício…

       Pressente-se um tempo novo que ora chega com Jesus:

«Eu batizo-vos com água, mas vai chegar quem é mais forte do que eu, do qual não sou digno de desatar as correias das sandálias. Ele batizar-vos-á com o Espírito Santo e com o fogo». Quando todo o povo recebeu o batismo, Jesus também foi batizado; e, enquanto orava, o céu abriu-se e o Espírito Santo desceu sobre Ele em forma corporal, como uma pomba. E do céu fez-se ouvir uma voz: «Tu és o meu Filho muito amado: em Ti pus toda a minha complacência».

       Com o batismo de Jesus cumpre-se, simbolicamente, toda a justiça. Sendo filho de Deus, não precisava de ser batizado. No batismo, Jesus garante que em tudo cumpre com a ENCARNAÇÃO, seguindo também os usos e tradições do povo que O vê nascer. Está entranhado na história e no tempo, e não por cima ou à margem.

 

       3 – A vida pública de Jesus arranca a partir do batismo. Como cristãos a nossa vida inicia-se com o batismo, Sacramento de pertença a Jesus Cristo, identificação com a Sua morte e ressurreição, inserção no Corpo de Cristo que é a Igreja. Morremos para o pecado, ressurgimos para a vida nova. Somos, pelo Espírito Santo, novas criaturas.

       O batismo celebra-se todos os dias da nossa vida. O batismo não é um dia de festa, é toda a vida. Dizer SIM com os lábios, de uma vez para sempre, e depois agir como NÃO ao longo da vida quase sempre dá mau resultado.

       Exemplos: quando os noivos dizem SIM de uma vez para sempre e se sentam à sombra da bananeira, como se tudo estivesse garantido a partir desse primeiro momento, vão sair magoados, infelizes e lesados… O SIM não é passivo nem passado, é proactivo, presente, significa cuidar, ouvir, amar, sofrer com o outro, usar de palavras atenciosas, e ter gestos de gratidão e de alegria pela presença do outro, renovando o desejo e o sentimento.

       Os pais para com os filhos. Não basta fazê-los, é preciso cuidar, educar, acompanhar, repreender, elogiar, apontar limites e possibilidades, marcar fronteiras, para que o filho saiba que os pais estão atentos ao que faz, ou deixa de fazer, por que o amam e lhe querem bem, mesmo que tenham os seus defeitos e pecados e por vezes sejam injustos... mas estão presentes, renovando o SIM primeiro todos os dias.

       O SIM que Deus nos dá há de levar-nos a um SIM permanente. Todos os dias somos batizados, renovados, todos os dias ressuscitamos com Jesus Cristo.


Textos para a Eucaristia (ano C): Is 42, 1-4.6-7; Atos 10, 34-38; Lc 3, 15-16.21-22.

 

 

Pág. 1/2

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Relógio

Pinheiros - Semana Santa

- 29 março / 1 de abril de 2013 -

Tabuaço - Semana Santa

- 24 a 31 de abril de 2013 -

Estrada de Jericó

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D

Velho - Mafalda Veiga

Festa de Santa Eufémia

Pinheiros, 16/17 de setembro de 2012

Primeira Comunhão 2013

Tabuaço, 2 de junho

Profissão de Fé 2013

Tabuaço, 19 de maio