Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Escolhas & Percursos

...espaço de discussão, de formação, de cultura, de curiosidades, de interacção. Poderemos estar mais próximos. Deus seja a nossa Esperança e a nossa Alegria...

Escolhas & Percursos

...espaço de discussão, de formação, de cultura, de curiosidades, de interacção. Poderemos estar mais próximos. Deus seja a nossa Esperança e a nossa Alegria...

29.12.10

Bento XVI almoça com 250 pobres

mpgpadre

       Bento XVI almoçou este Domingo, dia 26, com 250 pobres e sem-abrigo de Roma, numa refeição que decorreu no átrio da sala Paulo VI, no Vaticano, assinalando o centenário do nascimento da beata Madre Teresa de Calcutá.

       Juntamente com o Papa e uma representação das Missionárias da Caridade, fundadas por Madre Teresa, participaram no almoço pessoas que frequentam regularmente, em Roma, diversas comunidades destas religiosas.

       No dia 5 de Janeiro, o Papa vai visitar crianças doentes do hospital Gemelli, de Roma, na vigília da festividade dos Reis Magos.

       Em palavras improvisadas no final do almoço de Domingo, Bento XVI recordou o testemunho de Madre Teresa de Calcutá como "um reflexo da luz do amor de Deus".

       A beata, que "viveu de maneira humilde por amor a Deus", dizia que o seu "maior prémio era amar Jesus e servi-lo por meio dos pobres", indicou o Papa.

       Madre Teresa, acrescentou, dá aos homens a certeza de que "Deus jamais nos abandona".

       Considerada uma das mulheres mais influentes do século XX, Agnes Gonxha Bojaxhiu nasceu na actual Skopje, capital da Macedónia (à época Üsküb, integrada no império Otomano), a 26 de Agosto de 1910. Deixou a sua terra natal em Setembro de 1928, entrando no convento de Rathfarnam (Dublin), Irlanda. Ali foi acolhida como postulante no dia 12 de Outubro e recebeu o nome de Teresa, como a sua padroeira, Santa Teresa de Lisieux.

       Foi enviada pela congregação do Loreto para a Índia e chegou a Calcutá no dia 6 de Janeiro de 1929, com 19 anos. Fez a profissão perpétua a 24 de Maio de 1937 e daquele dia em diante foi chamada Madre Teresa.

       No dia 10 de Setembro de 1946, no comboio que a conduzia de Calcutá para Darjeeling, Madre Tereza recebeu aquilo que ela chamou “chamamento no chamamento”, que teria feito nascer a família dos Missionários da Caridade.

       Ao longo dos anos 50 e no início dos anos 60, Madre Teresa estendeu a obra das Missionárias da Caridade seja internamente dentro Calcutá, seja em toda a Índia. No dia 1 de Fevereiro de 1965, Paulo VI concedeu à Congregação o “Decretum Laudis”, elevando-a a direito pontifício.

       Em 1979, Madre Teresa recebeu o Prémio Nobel da Paz, como reconhecimento pelo seu trabalho.

       No final dos anos 80 e durante os anos 90, não obstante os crescentes problemas de saúde, Madre Teresa continuou a viajar pelo mundo para a profissão das noviças, para abrir novas casas de missão e para servir os pobres e aqueles que tinham sido atingidos por diversas calamidades.

       Às 9h30 da noite do dia 5 de Setembro de 1997, morreu na Casa Geral. No dia 13 de Setembro teve um funeral de Estado e o seu corpo foi conduzido num longo cortejo através as estradas de Calcutá.

       Foi beatificada por João Paulo II a 19 de Outubro de 2003, após o Papa polaco ter dispensado o período de espera de 5 anos para a abertura da Causa de Canonização.

 

28.12.10

Somos o que Deus quiser...

mpgpadre

       1 – Somos o que queremos ser.

       Somos os primeiros responsáveis pela nossa felicidade e pela realização dos nossos projectos, dos nossos sonhos, da nossa vida.

       A nossa vida depende de muitos factores, interiores e exteriores. Mas depende sobretudo da nossa atitude perante a realidade pessoal e social. Mesmo diante dos maiores obstáculos é possível um atitude de salvação, nem que em última instância seja rir de nós próprios.

 

       2 – Somos o que nos deixam ser.

       Esbatemos com situações que contrariam a nossa vontade de ser ou de fazer isto ou aquilo. Eu queria fazer mas não me deixam, os outros não querem, tento mas ninguém adere, se faço alguém vai criticar. Faço, e depois os outros? O que vão dizer?

       Fisicamente falando há muitos projectos que exigem mais que uma pessoa, que exigem muitas pessoas.

       Quando me envolvo em algum projecto que acho válido e justo, faço em função daquilo que os outros pensam, ou faço pela justeza do mesmo, pelo bem que veicula?

       Sou o que quero ser, quando e se ajo em função da justiça e do bem das minhas acções e não em função de uma hipotética opinião pública ou em função da sondagem.

       Agindo posso provocar outros ao compromisso. As palavras movem, os testemunhos arrastam.

 

       3 – Somos o que as circunstâncias nos permitem ser.

       “Sou eu e as minhas circunstâncias”. Esta expressão, do pensador Ortega Y Gasset, fala-nos de uma realidade evidente, acentuando as duas dimensões: o eu e as circunstâncias que me rodeiam.

       Obviamente, o lugar e o tempo em que nasci fazem diferença. Obviamente, o conjunto das circunstâncias presentes na minha vida influenciam as minhas opções. Veja-se o exemplo caricato: se tenho necessidade de escrever um texto, de corrigir, de emendar, de acrescentar, de cortar, é muito mais fácil hoje do que há trinta anos atrás. Escrevendo através do computador posso sempre alterar. No entanto, em uma e outra ocasião a responsabilidade é minha. O acento continua a estar em mim.

       Sou o que quero ser, ainda que em circunstâncias diferentes tivesse outras opções. Mas estas dependem de mim e da minha atitude. Diante dos condicionalismos posso ser santo ou nem por isso, posso ser Madre Teresa de Calcutá, com recursos reduzidos transformou o mundo à sua volta, ou posso lamentar-me porque ninguém faz nada e eu também não consigo fazer e não faço, porque as circunstâncias não são as melhores e os outros não ajudam.

 

       4 – Somos o que Deus quiser.

       O Natal é quando o homem quiser. Assim diz o poeta Manuel Sérgio. O Natal é quando Deus quer. Assim diz o economista João César das Neves. Um e outro têm razão. É Deus que quer, que faz acontecer, é Deus que nasce. É um acontecimento único e divino. Mas Deus dá ao homem a capacidade de “querer” e de poder transformar o mundo. O espírito que preside ao Natal, nascimento de Jesus, pode estar presente o tempo todo: o AMOR, o BEM, a FELICIDADE… Somos o que queremos ser e Deus quer connosco o que é bem para nós e para os outros!

       Ser feliz passa em primeiro lugar por mim e pela atitude que assumo diante da vida (e das dificuldades).

 

Editorial Voz Jovem, n.º 94, Janeiro 2008

25.12.10

Deus entre nós, Deus connosco...

mpgpadre

       1 - É Natal.

       Deus entre nós. Deus um connosco. Deus encarna, faz-Se homem. Em Jesus Cristo, a divindade assumiu a fragilidade e a finitude humana e, num projecto de dádiva permanente, dá-nos a vida em abundância, para que o sentido da nossa existência se abra até ao infinito, até à eternidade.

       "E o Verbo fez-Se carne e habitou entre nós. Nós vimos a sua glória, glória que Lhe vem do Pai como Filho Unigénito, cheio de graça e de verdade" (Evangelho do dia). Cada ser humano pode ser morada do Senhor. Ele veio habitar em nós e entre nós, e trazermos a graça e a verdade, para nos tornamos irmãos uns dos outros.

       Deixemos que a luz que nos é dada por Deus que Se faz menino, expondo-se no mais simples e humilde, nos guie na verdade, nos impele para a vivência do perdão e da caridade. Não cruzemos os braços, não baixemos a esperança, pois tudo pode aquele que confia em Deus, não desistamos de viver no bem, com honestidade e justiça, fazendo com que o NATAL, nascimento de Jesus, revolucione efectivamente o nosso coração, o nosso olhar sobre o mundo e sobretudo sobre as pessoas, num compromisso com o novo céu e a nova terra que Jesus nos dá com a Sua vida, mensagem, morte e ressurreição.

       2 - Mas escutemos as palavras sagradas que nos falam do nascimento do Messias de Deus, o Salvador do Mundo:

       "Muitas vezes e de muitos modos falou Deus antigamente aos nossos pais, pelos Profetas. Nestes dias, que são os últimos, falou-nos por seu Filho, a quem fez herdeiro de todas as coisas e pelo qual também criou o universo" (Hebr 1,1-6).

       "Enquanto ali se encontravam, chegou o dia de ela dar à luz e teve o seu Filho primogénito... Disse-lhes o Anjo: «Não temais, porque vos anuncio uma grande alegria para todo o povo: nasceu-vos hoje, na cidade de David, um Salvador, que é Cristo Senhor»" (Lc 2,1-14).

       "O povo que andava nas trevas viu uma grande luz; para aqueles que habitavam nas sombras da morte uma luz começou a brilhar" (Is 9,1-6).

       O nascimento de Jesus, para nós, crentes cristãos, responde às promessas feitas por Deus ao povo eleito, e que os profetas anunciam permanentemente. Com o Seu nascimento, a expectativa em relação ao futuro torna-se certeza do passado e do presente, Deus veio em Jesus Cristo, o Céu desceu à terra, a Eternidade entrou no tempo, entrou na história da humanidade.

Não mais haverá trevas, porque uma grande luz nos é dada em Jesus Cristo, nasceu-nos o Salvador, chegamos à plenitude dos tempos.

 

       3 - As palavras que configuram a certeza da presença de Deus em nós e entre nós, mobilizam o nosso coração, mas igualmente o nosso compromisso com os outros, com o mundo, com a transformação das realidades que ainda não viram a luz da salvação.

       Também nós, como outrora os profetas, e como o Messias de Deus, devemos ser mensageiros de Deus, mensageiros do bem e do amor, mensageiros da paz e da vida. "Como são belos sobre os montes os pés do mensageiro que anuncia a paz" (Is 52,7-10).

       Ao espreitarmos o Presépio, acolhamos a alegria e o amor que irradia de Jesus, de Maria e de José. Com o coração a transbordar da paz que Ele nos dá, testemunhemo-lo aos outros, com palavras e obras, testemunhemo-lo ao mundo inteiro.

 

24.12.10

E D I T O R I A L - Voz Jovem

mpgpadre

       “O próprio Senhor vos dará um sinal: a virgem conceberá e dará à luz um filho e o seu nome será Emanuel” (Is 7, 7-10).

       O nascimento de Jesus Cristo, para nós crentes cristãos, cumpre as promessas feitas por Deus ao povo da primeira Aliança, sobretudo através dos profetas de Israel.

       Como os Pastores de Belém, ouçamos o convite dos Anjos e cantemos “Glória a Deus nas alturas e paz na terra aos homens por Ele amados”, para que o nosso canto de louvor nos ajude a acolher o mistério que nos vem do Céu. Deus em Jesus Cristo é Deus connosco, para que nesta proximidade física e espiritual nos tornemos verdadeiramente irmãos uns dos outros em Jesus Cristo, pelo perdão e caridade, pelo justiça e pela paz.

       A vivência do Natal não surge do nada!

       Com tanta distracção, tantos apelos, pode acontecer que celebremos o aniversário natalício de Jesus, sem que Ele esteja presente. Aniversário sem aniversariante. Daí que em Igreja venhamos a insistir com alguns gestos concretos para sublinhar a centralidade de Jesus, nas celebrações litúrgicas, em campanhas de solidariedade como, por exemplo, os Estandartes de Natal e 10 Milhões de Estrelas – um gesto pela paz, com sinais exteriores e com contributos para as pessoas mais carenciadas.

       Em Tabuaço temos o privilégio de em cada ano preparar o Natal com a novena e a solenidade em honra da nossa padroeira, a Imaculada Conceição. É um tempo de encontro, de aprofundamento da fé, de partilha do nosso ideário cristão, de convivência entre pessoas, de reflexão e de oração.

       Entre os dias 2 e 8 de Dezembro, a Visita Pastoral de D. Jacinto, com diversos encontros e celebrações, foi ocasião para nos deixarmos interpelar pela vivência alegre e comprometida com a Palavra de Deus.

       Com as entidades públicas, com diversos gestos de simpatia, palavras de incentivo, para que as funções se transformem em missão, numa atitude de serviço e de atenção às pessoas, em concreto.

       Em ambiente eclesial e litúrgico, a acentuação do trabalho realizado voluntária e gratuitamente, a humildade da conversão a Jesus Cristo, a generosidade no perdão, no diálogo e na tolerância, encarando “as dificuldades não com desalento mas com esperança”, para que a alegria da fé nos aproxime uns dos outros…

23.12.10

Festa de Natal da Catequese 2010

mpgpadre

       No último Sábado de catequese, antes da celebração festiva do NATAL, e tal como em muitos anos anteiores, a Festa de Natal da Catequese, para toda a comunidade paroquial, no passado dia 18 de Dezembro, no Auditório do Centro de Promoção Socail de Tabuaço.

       A Festa iniciou com a celebração da Eucaristia. No momento de Acção de Graças, um gesto simbólico pela Paz, com as Velas da Paz acesas e com uma oração, da campanha Caritas a favor das pessoas mais carenciadas, "10 Milhões de Estrelas - Um Gesto pela Paz".

       De seguida, os diversos anos de catequese, apresentaram músicas, poemas, textos, pequenas encenações alusivas à quadra de Natal.

23.12.10

Boletim Voz Jovem - Dezembro 2010

mpgpadre

       O mês de Dezembro tem sido intenso, com diversos momentos importantes na vida da comunidade.

       O Boletim Voz Jovem deste mês é especial, com as rubricas habituais, mas com muitas fotografias sobre a Visita Pastoral do nosso Bispo, D. Jacinto Botelho, à comunidade paroquial. Diversos os momentos, as celebrações, os gestos, os encontros, diversas as imagens que documentam esta presença do Pastor da Diocese de Lamego. Dê uma espreitadela.

       O boletim VOZ JOVEM pode ser lido a partir daqui e/ou fazendo o download nos formatos respectivos:

22.12.10

Só a humildade nos conduz à felicidade duradoura...

mpgpadre

       1 – A proximidade física (cronológica) ao Natal é inegável no ambiente que nos rodeia e na liturgia da palavra proposta deste quarto Domingo de Advento. Por onde quer que passemos, saltam à vista os enfeites, árvores de Natal, presépios ao ar livre, iluminação natalícia em cidades, vilas e aldeias, nos centros comerciais. Saliente-se, este ano, uma inovação que se iniciou no nosso país no ano passado, a colocação dos Estandartes de Natal, com o Menino Jesus, nas janelas e varandas de muitas casas, "obrigando-nos" a lembrar que o aniversariante é Jesus Cristo, o Deus que Se faz próximo de cada um de nós e da humanidade inteira. Refira-se que os estandartes, acção promovida por um grupo de leigos empenhados, sem fins lucrativos, favorecerá as pessoas mais desamparadas e, ainda, a acompanhar o estandarte, o Livro com os Evangelhos para todos os dias do ano de 2011, oportunidade para que a Palavra de Deus, feita carne em Jesus, acompanhe mais de perto as nossas famílias cristãs e desperte, em todos os que adquirirem o Estandarte com o Evangelho, o gosto pela leitura e meditação da Sagrada Escritura.

       Centremo-nos por ora nas leituras deste último domingo antes da celebração do Natal para acolhermos o mistério de Deus que se desvela para nós. O anúncio de Isaías (primeira Leitura) é profecia que se torna realidade com o nascimento de Jesus (Evangelho).

       2 – "O próprio Senhor vos dará um sinal: a virgem conceberá e dará à luz um filho e o seu nome será Emanuel". São as palavras proféticas de Isaías e que logo São Mateus as mostra cumpridas no nascimento de Jesus. Ao relato do nascimento do Salvador, Mateus acrescenta: "Tudo isto aconteceu para se cumprir o que o Senhor anunciara por meio do Profeta, que diz: «A Virgem conceberá e dará à luz um Filho, que será chamado ‘Emanuel’, que quer dizer ‘Deus connosco’»" (Evangelho).

       Foi-nos dado ver o que aos profetas e aos que nos precederam na fé foi apenas anunciado como futuro. Eles ansiaram, como um dia dirá Jesus aos seus ouvintes, ver este dia de salvação para todos os povos. A nós o privilégio de vivermos com Jesus Cristo, na Sua Igreja, a plenitude dos tempos.

       Neste concreto ouçamos o testemunho de São Paulo, na sua missiva aos Romanos: "Deus tinha de antemão prometido pelos profetas nas Sagradas Escrituras, acerca de seu Filho, nascido da descendência de David, segundo a carne, mas, pelo Espírito que santifica, constituído Filho de Deus em todo o seu poder pela sua ressurreição de entre os mortos: Ele é Jesus Cristo, Nosso Senhor".

 

       3 – Nas vésperas de Natal deixemo-nos cativar pela luz que brilha no Presépio de Belém, no olhar de Jesus, de Maria e de José, procurando que este seja um tempo de alegria, de paz, de harmonia em nossa casa e em todos os ambientes em que nos encontremos. Aproveitemos para termos algum gesto concreto que nos faça experimentar o perdão, a caridade, em alguma situação que precisemos de revolver, melhorar, ou em algum momento que nos aproxime daquelas pessoas que estão mais precisados.

Só a humildade do Deus que Se faz criança nos trará a felicidade duradoura e plena.

________________________________________

Textos para a Eucaristia (ano A): Is 7,10-14; Rom 1,1-7; Mt 1,18-24.

 

18.12.10

As borboletas e o fogo

mpgpadre

       Uma noite, as borboletas reuniram-se na ânsia de conhecer a chama.

       Diziam:

       – é preciso que alguém nos dê alguma informação.

       Uma delas aproximou-se de um castelo e, de fora, viu a luz da candeia. Contou as colegas a sua impressão segundo tinha podido entender. Mas a borboleta que presidia à assembleia não ficou satisfeita. E disse:

       – Não sabes nada acerca da chama.

       Partiu uma outra e penetrou no castelo, tocando na candeia, mas ficando longe da chama. Também esta trouxe uma mão cheia de segredos, falando do seu encontro com a candeia. Mas a borboleta sábia disse:

       – Também isso não é uma informação com interesse, minha querida. Precisamos de uma melhor investigação.

       Partiu a terceira e devagarinho, bateu as asas e poisou em cima da chama. Estendeu as patas e abraçou-a, perdendo-se alegremente nela. Envolvida completamente pelo fogo, tornou-se toda vermelha como ele.

       Quando a borboleta sábia a viu de longe a tornar-se uma só coisa com a candeia e a ficar cor da luz, disse:

       – Apenas esta conseguiu. Só ela sabe alguma coisa acerca da chama!

Lenda Árabe

 

       Em muitas das questões fundamentais, o ser humano precisa de fazer a experiência por si mesmo. Não basta o que ouvimos dizer, é fundamental o que sentimos nesta ou naquela dimensão da vida. Para o crente cristão não basta o que já ouvir dizer de Jesus Cristo, é imperioso que faça a experiência de Jesus na sa vida pessoal e familiar, que leia, medite, reflicta a Palavra de Deus, que concretize a sua fé em gestos concretos de perdão e de caridade, ao jeito de Jesus, para assim saber quem é Jesus,...

Pág. 1/3

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Relógio

Pinheiros - Semana Santa

- 29 março / 1 de abril de 2013 -

Tabuaço - Semana Santa

- 24 a 31 de abril de 2013 -

Estrada de Jericó

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D

Velho - Mafalda Veiga

Festa de Santa Eufémia

Pinheiros, 16/17 de setembro de 2012

Primeira Comunhão 2013

Tabuaço, 2 de junho

Profissão de Fé 2013

Tabuaço, 19 de maio