...espaço de discussão, de formação, de cultura, de curiosidades, de interacção. Poderemos estar mais próximos. Deus seja a nossa Esperança e a nossa Alegria...
08
Ago 17
publicado por mpgpadre, às 16:28link do post | comentar |  O que é?

ALDOUS HUXLEY (2013). Admirável Mundo Novo. Lisboa: Antígona. 320 páginas.

Aldous Huxley.jpg

Como o próprio título quer indicar, o livro apresenta um admirável mundo novo nas palavras e na "resignação" de quem o lidera. No prefácio à obra na edição de 1946 o autor sublinha que não altera o que escreveu vinte anos antes, ainda que tenha havido algumas mudanças tecnológicas.

É um mundo criado pela ciência, com a capacidade de "criar" pessoas e moldá-las desde a gestão para aquilo para que se destinam. Diríamos que seria a instauração das "castas" a partir da incubação e não através da convenção e da cultura. Por certo o autor apresenta um futuro marcado pelo totalitarismo "genético", em que as vontades se subjugam ao todo e a verdade é escravizada e secundarizada a favor da felicidade, do bem estar, do conforto.

O pessoal não existe, todos pertencem a todos. Cada um, ou cada classe de pessoas, tem a sua tarefa e tem o seu lugar decidido na sociedade. Pensar, refletir, discutir, agir em conformidade com a sua consciência está fora de questão. Todos pertencem a todos. Todos trabalho em prol da estabilidade de mundo. Com recurso à ciência é possível criar pessoas perfeitas que morrerão com a mesma fisionomia e juventude. Evita-se a paixão e os sentimentos intensos. A soma é uma droga com várias finalidades, dormir, estar alegre, esquecer, divertir-se. Até a relação sexual aparece numa perspetiva social, havendo compridos para potenciar a relação sexual que não deve ser exclusiva nem reprodutiva, precisamente para que não haja laços fortes que poderiam estragar a estabilidade. As crianças são produzidas em laboratório, em sentido absoluto, desde a geração/gestação, até aos princípios que a devem reger: se nasce para ser alfa ou beta, é industriado para se sentir bem consigo mesmo, auto-elogiando-se pela inteligência e pela pertença àquele grupo. Mas se for de um grupo inferior é treinado desde o berço para se sentir feliz com a sua condição, sem se questionar.

671df72f8ed23a0f03506072dc7f7285_Fotor.jpg 

O cristianismo e a religião são coisas do passado. Ainda que haja quem se lembre e de quem se interrogue... mas convém afastar essas pessoas para que não inquietem as outros, com o perigo de gerar algum transtorno á sociedade do bem-estar e do conforto. é um totalitarismo que resultou da conformação e dos conflitos. As pessoas preferem a estabilidade, então, dá-se-lhes o que pedem, mas subtrai-se-lhes a liberdade, o livre-arbítrio. Escondem os livros do passado, como a Bíblia ou Shakespeare, podem ser leituras subversivas. Aqueles que sonharam ser livres facilmente acabaram por se conformar à situação presente.

É uma leitura muito interessante, que nos fala do passado, do presente e do que poderá ser o futuro. Quantas vezes a liberdade foi comprada com pão? Lembremos a saída do Egito. O povo eleito caminha livremente pelo deserto, mas quanto a fome aperta esquece-se da liberdade e do libertador e quer é voltar a encher o estômago!

No desenrolar da história somos levados ao mundo selvagem onde as pessoas amam, odeiam, se apaixonam, geram filhos e geram vidas, envelhecem e têm "superstições". A redenção para eles não está a acessível, vivem no mundo exterior, têm tradições que matam, têm dissabores, vivem em liberdade, têm deuses. O contacto com os selvagens é arriscada, só se for por uma questão de estudo, para se chegar à conclusão que é um submundo ou por questões turísticas.

Admiravel mundo novo - a ficção.jpg 

No final da obra, no selvagem que veio até ao mundo civilizado, isto é, o admirável mundo novo onde não se envelhece, onde não se tem opinião própria nem vida própria, onde tudo se usufruir mediante um comprimido, no selvagem e na sua estranheza deteta-se ainda assim a curiosidade muito humana, a coscuvilhice, a vontade de ver o sangue dos outros... A ciência era promotora da liberdade, da investigação, da procura da verdade... mas neste admirável mundo novo, a que se chegou pela ciência, recusa-se qualquer inovação que coloque em causa o bem-estar de todos, qualquer discussão ou opinião própria...

Recomendo vivamente este livro que logo me fez lembrar do mito das cavernas, de Platão, um mundo que vive nas sombras e que descobrem que há um mundo das ideias, um mundo luminoso. Falta saber qual é o mundo luminoso, o selvagem da paixão, do amor e da vida, da fragilidade, da doença e da morte, ou o mundo admirável da ciência do bem-estar e do conforto, da renúncia à verdade e à liberdade. A propósito, vale a pena ler também "A Caverna", de José Saramago, no qual o autor português apresenta também um mundo "comercial" formatado, acessível e comprável, pronto para responder às necessidades de cada um como se foram um grande centro comercial, mas uma vez mais sem espaço para a paixão ou a vida própria.

Resta agradecer ao seminarista, o Diogo, que me ofereceu esta belíssima obra no final do seu trabalho pastoral em terras de Tabuaço, Távora, Pinheiros e Carrazedo.


01
Dez 14
publicado por mpgpadre, às 18:25link do post | comentar |  O que é?

 PHILIPP MEYER (2014). O Filho. Lisboa: Bertrand Editora. 640 páginas

philipp_meyer.jpg

Um livro poderá ser uma excelente oportunidade para refletir, para exercitar o pensamento e a imaginação, para enriquecer o vocabulário (ortográfico e humano). O livro que ora recomendamos, é uma oferta aniversariante da família, que cada ano me presenteia com alguns títulos que se tornam um desafio. Quando escolhemos um livro ele corresponderá àquilo que procuramos, pelo título, pelo tema, pela resumo, pela divulgação. Quando nos é oferecido, corresponde àquilo que o ofertante pensa de nós e dos nossos gostos de leitura, mas igualmente com a certeza que nos vai surpreender agradavelmente. E mais uma vez, mais um ano, o livro escolhido é uma agradável surpresa.

São seiscentas e muitas páginas de uma história envolvente, que retrata os Estados Unidos da América ao longo de três gerações, abarcando um largo período que explica a formação daquele grande país, mas que pode explicar ainda algumas rivalidades do presente entre alguns Estados americanos, entre o Norte e o Sul, mas também a grande variedade de culturas, de etnias, de ideias.

É, em todo o caso, uma trama que se desenrola com avanços e recuos, com ligações que perduram e se reacendem, e com consequências que se manifestam nas gerações seguintes. O que hoje se faz tem implicações amanhã. Traz-nos um triller do cowboys e índios, de mexicanos, gentes do Norte e do Sul, ricos e pobres, os patrões e os escravos, o petróleo e as grandes plantações de algodão, e o gado, os cavalos, a natureza.

Por vezes, assim na vida, as prioridades esquecem os sentimentos e as emoções; a ganância sobrepõe-se à amizade e ao amor, e à família. E isso terá um custo elevado no futuro. Com muitos bens mas sem muitos afetos. No fim, a solidão, pois não se investiu nem na família nem nos amigos, pois era mais prioritário da construção de um império.

O romance reflete a vida, em que se conjugam os interesses económicos e políticos, com a família e o amor. Este tentam vencer face a diversos obstáculos, nomeadamente o do preconceito, do racismo. Um mexicano casar com um americano? Um índio ter os mesmos direitos que um americano?

O ponto a que chegamos na atualidade tem raízes (proundas) no passado, na história das famílias e dos povos. Há histórias de amor que perduram além da pressão e da influência da família e dos preconceitos sociais e culturais, que perduram além dos interesses económicos. E há histórias de vida cujas facilidades recebidas em nada contribuíram para uma vida feliz.

É, sem dúvida, uma estória envolvente, contextualizada na história dos EUA, mas com as petos comuns a outras culturas e civilizações. Lê-se com muito agrado e nem a extensão diminui a vontade de prosseguir e progredir na estória da família.


31
Jan 14
publicado por mpgpadre, às 10:00link do post | comentar |  O que é?

José TOLENTINO MENDONÇA. O Hipopótamo de Deus. Quando as perguntas que trazemos valem mais o que as respostas provisórias que encontramos. Paulinas Editora, 320 páginas.

       Mais um extraordinário livros que agrega várias reflexões de Tolentino de Mendonça, com a idiossincrasia bem portuguesa, madeirense, cristão, poeta. Em cada texto um olhar de esperança, de desassossêgo, de provocação, de desafio, numa prosa bem poética como nos tem habituado nas suas publicações e/ou intervenções. Uma linguagem simples, familiar, tocando realidades distintas, cultura, religião, fé e fado, raízes madeirenses, e raízes do poeta, família, vida e morte e sofrimento, pintura, literatura e religião, música, economia, imperfeição, Fátima, e o silêncio de Deus, Advento, Natal e Páscoa, Outono e Inverno, Verão e Primavera e as diferentes idades do ser humano, a vocação, ser padre e ser poeta, a cruz e a bondade, filosofia e filósofos...

       Desde logo a justificação do título deste conjunto de escritos, que acompanha a publicitação do livro:

"Um dos passos mais belos da Bíblia tem a ver com um hipopótamo. E não é propriamente um divertimento teológico, pois surge numa obra que explora muito seriamente a experiência do Mal. Falo do Livro de Job, claro. O que primeiro nos surge ali é o protesto de Job contra o Mal que se abate inexplicavelmente sobre a sua história, protesto que se estende até Deus. Mas depois vem o momento em que Deus se propõe interrogá-lo. E, nesse diálogo, desenvolve-se um raciocínio que não pode ser mais desconcertante. Job só consegue pensar nas suas dores e nos porquês com os quais, inutilmente, esgrime. Deus, porém, desafia-o a olhar de frente para… um hipopótamo. O método de Deus neste singular encontro com Job é abrir a medida do seu olhar, rasgá-lo imensamente a tudo o que é grande, a tudo o que não tem resposta, mostrando-lhe que se o Mal é um enigma que nos cala, o Bem é um mistério ainda maior".

       Muitas reflexões oportunas. Lido em diferentes ocasiões podem haver um texto que chame mais atenção. Curioso o título e o texto: Onde é a nossa casa?

       "Acho que foi Alberto Camus que disse que a questão mais premente do nosso tempo é cada homem descobrir onde é a sua casa... Dia a dia há uma rota que voltamos a trilhar sem especiais hesitações, entre a fadiga e a esperança, cruzando as paredes do tempo: esse é o caminho para a nossa casa. Cada um cumpre, mesmo sem especial reflexão, trajetórias e rituais que são seus: a estrada que escolhe para regressar (sempre a mesma, sempre a mudar...); a forma familiar que tem diariamente de rodar a chave; o modo (mais lento, mais repentino) de abrir para o que ali habita; aquela fração de segundo, absolutamente impressiva, antes da primeira palavra, em que a casa inteira parece que vem ao nosso encontro, ofegante ou em puro repouso...

       ... cada pessoa tem o irrecusável dever de descobrir-se, vivendo com paixão e sabedoria a construção de si, esse processo que, por definição, está em aberto e que ao longo da existência se vai efetivando. NÓS SOMOS A NOSSA CASA. E poder dizer isso, com simplicidade e verdade, equivale a perpetuar aquilo que Albert Camus também escreveu: «no meio de um inverno, finalmente aprendi que havia dentro de mim um verão invencível» (pp 141-142).

 

Dois lugares para visitar acerca deste livro:

 

(que publicou alguns dos textos agora coligidos,

por exemplo o que partilhamos aqui: "Onde é a nossa casa?".


01
Jun 13
publicado por mpgpadre, às 11:36link do post | comentar |  O que é?

        Depois da Sua eleição, no passado dia 13 de março, tem surgido diversos escritos do atual papa Francisco. Era expectável, que muitos procurassem de imediato saber o que já disse, fez, o que escreveu, as mensagens mais emblemáticas, gestos mais relevantes, acontecimentos mais transformadores, e, claro, para outros, ver o que poderia gerar crítica ou escândalo.

       Começamos por sugerir uma primeira leitura, juntando as primeiras palavras de Francisco, com as últimas de Bento XVI: BENTO XVI, Embora me retire continuo unido a vós. Discursos de Bento XVI e SAVERIO GAETA. Papa Francisco. A vida e os desafios. Este constitui uma primeria abordagem biográfica de Jorge Bergoglio, agora Papa Francisco, com algumas citações de frases, intervenções, mensagens, homilias...

       Mais completo, quanto aos temas tratados, a célebre entrevista ao então Cardeal Jorge Bergoglio, assumindo o título "O Jesuíta", que recebeu nova edição: SERGIO RUBIN e FRANCESCA AMBROGETTI, Papa Francisco. Conversas com Jorge Bergoglio.

       Este título que agora apresentamos é uma extraordinário encontro de um cristão e de um judeu, um cardeal e um rabino, num diálogo muito profícuo, com muitos pontos de contacto, de respeito, admiração, humildade, mostrando que a sabedoria leva à concórdia e a buscar o que verdadeiramente é ponte para os outros. Para haver diálogo é inevitável e necessário que cada um se apresente com os seus princípios, ideias, convicções, com abertura, não para desistir da sua identidade, mas para a enriquecer com as convicções dos outros. Se há pura cedência de uma das partes, não há diálogo. Se há imposição também não. Mas se existe humildade é possível encontrar pontos de contacto que ajuda a entender o mundo e a humanidade, procurando soluções ou pelo menos caminhos.

JORGE BERGOGLIO e ABRAHAM SKORKA, Sobre o Céu e a Terra. Clube do Autor. Lisboa 2013, 224 páginas.

 

       O então cardeal Jorge Bergoglio e Abraham Skorka já se tinha encontrado em diversas ocasiões, tornando-se amigos, abordando diversos temas da fé, da vida, da política. Inclusive, já tinham escrito prefácios para livros um do outro. Por que não colocar por escrito os diálogos entre ambos.

       Este livro nasce dessa vontade comum de partilhar com outros as conversas tidas ao longo dos anos, sinalizando desde logo que é possível, e até necessário, que pessoas de diferentes credos, comungarem o essencial da vida.

       São variados os temas: sobre Deus, o Diabo, a oração, a culpa, a morte, a eutanásia, o aborto, a mulher, os idosos, o fundamentalismo, o divórcio, a política, a educação, o dinheiro, a pobreza, sobre o holocausto, sobre o casamento de pessoas do mesmo sexo, sobre o conflito israel-árabe, ou sobre a evolução política e social da Argentina.

       Muito clarificador. Mais um livro que se lê com muito agrado, quer nas intervenções do atual Papa, quer nas palavras do rabino Skorka. Com sabedoria e simplicidade, numa abordagem que desafia, e envolve, pois traz a experiência de vida de cada uma dos intervenientes.

       Por outro lado, e no que diz respeito ao Papa Francisco, pode constatar-se que a mensagem que tem chegado ao mundo inteiro é genuína, não surge de repente, é fruto da vida, da experiência, do estudo, da oração, de milhentas situações concretas. Lendo o Jesuíta, ou lendo este (bom seria ler os dois títulos - já há outros) fica-se a conhecer bem melhor o pensamento de Francisco, os seus gestos e as suas mensagens sobre humildade, serviço, pobreza, diálogo, pontes em vez de muros.

 

 No Youtube podem encontrar-se outras conversas, do Papa com Abrahm Skorka:


28
Ago 12
publicado por mpgpadre, às 10:00link do post | comentar |  O que é?

De há muito tempo a esta parte, Deus parece ser um incómodo para a Europa e para muitos europeus.

       Pensam (as instituições e as pessoas) que seria bem melhor – ou, pelo menos mais prático, se Ele não existisse. E muitos nem sequer pensam. Simplesmente vivem como se Ele não existisse: no fundo, para quê preocupar-nos se, depois, Deus não protesta, não nos acusa em tribunal, não nos faz perder dinheiro ou fama? Pelo contrário, parece antes que viver como se Ele não existisse é mais proveitoso: podemos levar a vida que nos é possível, que queremos ou sonhávamos. Podemos viver dando largas à nossa imaginação e, com ela, “fintar” a própria justiça humana – no fundo, “o problema não é roubar: é ter roubado e ser apanhado!”

       Porque, se Deus não existe, então a justiça é aquela que eu determino para mim mesmo, ainda que, depois, exista a justiça dos homens e das leis (a tal que convém iludir, ultrapassar, ou manipular a meu proveito); se Deus não existe, eu posso fazer de deus e comprar a vida dos outros, desde que tenha dinheiro, ou poder, ou simplesmente que tenha “charme” para tal; se Deus não existe, mesmo que diante de todos eu diga que desejo a paz e a harmonia entre pessoas e nações, então posso bem promover a guerra e a discórdia, dividir para reinar.

       O facto é que, mesmo que me esforce por viver assim, fingindo de deus, há sempre a possibilidade de que Ele exista de verdade, e que eu e a minha vida não lhe sejamos indiferentes – nem a minha vida nem a de todos os outros que vivem à minha volta. E, se Deus existe, então pode bem ser o defensor dos mais fracos diante dos mais fortes; pode bem ser o que garante a justiça perante todos os crimes que sejam realizados contra a dignidade humana; pode bem ser aquele que, de uma qualquer forma, garanta, como última instância, que não sou eu, nem o poder que eventualmente possa ter adquirido, a possuir a última palavra.

       E, o que é mais grave, existem os cristãos, e existe a Igreja a afirmar que Deus existe; que não é uma invenção humana mas Alguém muito concreto, com quem falam e a quem mostram. E, recordando constantemente a existência e a presença de Deus na história dos homens, olham para bem mais longe que a mera duração terrena da vida humana.

       Mas não valerá a pena, mesmo para aqueles que ainda não tenham encontrado Deus no seu caminho, viver como se Ele existisse e, desse modo, deixar que a justiça dos homens e o seu modo de viver seja moldada por aquela outra, afinal muito mais “humana”, que parte da presença de Deus na história e do seu interesse por cada ser humano a que deu a vida, por muitos incómodos que isso possa trazer?

 

D. Nuno Brás, in Voz da Verdade.


13
Abr 10
publicado por mpgpadre, às 10:18link do post | comentar |  O que é?
       Podemos partir desta pergunta: "Quem é Jesus para mim?". As respostas poderão ser variadas. Um revolucionário. Deus. O Alfa e o Ómega, o Princípio e do Fim, o Rei dos Reis... Vale a pena ver esta pintura que parte de palavras para chegar ao rosto de Jesus:


25
Fev 10
publicado por mpgpadre, às 10:22link do post | comentar |  O que é?

       A Câmara Municipal de Lamego intituiu o Prémio de Mérito Cultural, para distinguir o cidadão ou a intituição que cada ano se destaque no panorama cultural lamecense.

       No dia 27 de Janeiro reuniu a comissão constituída para o efeito, e delibreou que o agraciado deste ano fosse o Dr. Joquim Sarmento, pela sua apreciável e crescente obra literária, cujo o apreço e consideração ficaram expressos neste prémio.

       O dia 23 de Fevereiro, data que assinala a inauguração do Teatro Ribeiro Conceição, renovado, será o dia de entrega do prémio.

       Foi o que aconteceu no passado dia 23 de Fevereiro: Dr. Joaquim Sarmento recebeu o Prémio de Mérito Cultural. Destacam-se as várias obras como Fragmentos (conjunto de intervenções e artigos de opinião), os recentes romances "O Crime de Cerejeiro" e "A revolução de António e Oriana", duas leituras indispensáveis, dois romances extraordinários, que recomendamos vivamente, parabenizando o premiado Dr. Joaquim Sarmento.

       Veja também, abaixo, uma reportagem aquando da apresentação do livro "O Crime de Cerejeiro", no Teatro Ribeiro Conceição:


06
Jan 10
publicado por mpgpadre, às 17:42link do post | comentar |  O que é?

       Opções com Sentido: é o Blogue dedicado à disciplina de Educação Moral e Religiosa Católica (EMRC), da Escola EB 2,3/S Abel Botelho, de Tabuaço. Será um espaço para informações acerca da disciplina e de tudo o que a envolve, a religião, a catequese, a educação, os valores e os princípios, a cultura e a educação, a escola; será espaço para colocar trabalhos dos alunos de EMRC, trabalhos preparados para as aulas, bem como porta de entrada para outras ligações internautas relacionadas com a disciplina, com a Igreja, e com a comunidade educativa de Tabuaço.

     Queremos que seja um espaço interactivo no âmbito da disciplina de EMRC,  e que ajude a fazer opções com sentido, na partilha solidária, na justiça e na alegria, na vida e no bem.


mais sobre mim
Relógio
Agosto 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11

13
14
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


Visitantes
comentários recentes
O mundo atual precisa do testemunho cristão. Livro...
Saudações fraternas. Claro que sim. Ao longo da Su...
Caríssimo, no texto que comento, anuncia a experiê...
Sofres do síndrome de última bolacha do pacote
Quero agradecer por essa linda história e texto po...
Gostei da trilogia.http://numadeletra.com/1q84-liv...
Olá!Caí neste comentário acerca deste último livro...
http://numadeletra.com/41791.html
também gostaria de o conhecer pessoalmente acho in...
Bom dia. Alguns elementos para o ofertório estão v...
Bom dia. Sou catequista na minha paróquia e estamo...
Mais uma vez, muitos parabéns por nos dar este bel...
Eu já sabia que não devemos menosprezar nunca o po...
Bom dia. Eu é que agradeço, pela presença, pelo in...
Bom dia Padre Manuel! É sempre com muito agrado qu...
arquivos
Pinheiros - Semana Santa
- 29 março / 1 de abril de 2013 -
Tabuaço - Semana Santa
- 24 a 31 de abril de 2013 -
Estrada de Jericó
pesquisar neste blog
 
Velho - Mafalda Veiga
Festa de Santa Eufémia
Pinheiros, 16/17 de setembro de 2012
Primeira Comunhão 2013
Tabuaço, 2 de junho
Papa Bento XVI
Profissão de Fé 2013
Tabuaço, 19 de maio
subscrever feeds
blogs SAPO