...espaço de discussão, de formação, de cultura, de curiosidades, de interacção. Poderemos estar mais próximos. Deus seja a nossa Esperança e a nossa Alegria...
22
Set 13
publicado por mpgpadre, às 09:00link do post | comentar |  O que é?

       1 – «Não podeis servir a Deus e ao dinheiro... Nenhum servo pode servir a dois senhores, porque, ou não gosta de um deles e estima o outro, ou se dedicará a um e desprezará o outro». Só um pode ser o meu, o teu, o nosso Senhor, o nosso Amor único e maior.

       Diz-me qual é o teu senhor e dir-te-ei quem és!

       Os bens materiais são necessários. Menosprezar o dinheiro não ajuda a resolver os problemas das pessoas, das famílias e dos povos. Faz-se, por isso, a distinção entre pobreza, como uma atitude face aos bens materiais, e miséria, com pessoas e famílias a viver em condições verdadeiramente indignas.

       Qual a minha postura diante do dinheiro, escraviza-me? O que mais prezo, o que tenho, a minha carteira recheada, ou quem tenho à minha volta, a família e os amigos?

        2 – Jesus conta mais uma parábola. Um homem rico tem um administrador que desperdiça os seus bens. Pede-lhe contas. Sabendo que será despedido, o administrador usa de novo a sua esperteza saloia para se sair bem. Anula parte da dívida aos devedores do seu senhor. Detetada a jogada, aquele senhor, e com ele Jesus, elogia tamanha astúcia: “de facto, os filhos deste mundo são mais espertos do que os filhos da luz, no trato com os seus semelhantes”. A riqueza pode, como se vê, facilitar a amizade.

       “O homem ultrapassa infinitamente o homem” (Blaise Pascal). Superar-se a si mesmo. Melhorar as condições de vida significa cooperar com a obra criadora de Deus. Sede perfeitos como o Vosso Pai celeste é perfeito. A primeira ambição do crente há de ser a ambição da santidade, procurando transparecer a benevolência de Deus.

Uma pessoa sem ambição seria uma pessoa resignada, indiferente, sem esperança, incapaz de se converter e de corrigir os aspetos negativos da sua vida, insensível aos outros e fechada ao futuro.

       3 – A ambição desmedida, ligada ao ter e não ao ser, torna-se pecado que destrói o próprio e todos aqueles que estão à volta. Multiplicar, quadruplicar. A ganância descontrolada conduz à corrupção, ao tráfico de influências, abuso de poder, prepotência, chantagem, cria assassinos, guerras, violências, abre o coração ao diabólico, insidia as relações mais autênticas, facilita divórcios, desagrega famílias, sobretudo em partilhas, fomenta invejas e discórdias.

       Quando se coloca o dinheiro em primeiro lugar, e o que gera riqueza, rapidamente o coração se esvazia. Excessiva preocupação pelo trabalho, pelo que tem que se fazer para fazer dinheiro, e logo falta tempo e espaço para a família, para o descanso, para cuidar da saúde, para a festa, para o lazer, para estar com os amigos, para brincar com os filhos, falta disposição para apaparicar a esposa / o marido. Destrói-se o equilíbrio afetivo. O dinheiro é sempre insuficiente…

        Só Deus é digno de ser adorado/amado. Só Deus. Só Ele o tesouro da nossa vida. Deus em primeiro lugar para que o nosso semelhante seja prioridade. “Onde Deus é tudo, há lugar para tudo e espaço para todos” (D. Manuel Clemente). Amar a Deus implica-nos no amor para com o próximo.

       Nem tudo é transacionável. Veja-se a parábola proposta no domingo passado. Aquele Pai tinha uma fortuna, mas só o bem dos filhos interessava. Dá-lhes todos os seus bens. E no final ainda gasta uma fortuna para fazer festa pelo regresso do filho.

 

       4 – A fidelidade a Jesus passa pela honestidade em relação ao dinheiro. A desonestidade é anticristã.

       Veja-se a clareza de Jesus: «Quem é fiel nas coisas pequenas também é fiel nas grandes; quem é injusto nas pequenas coisas, também é injusto nas grandes. Se não fostes fiéis no que se refere ao vil dinheiro, quem vos confiará o verdadeiro bem? E se não fostes fiéis no bem alheio, quem vos entregará o que é vosso?»

       O mesmo reparo já o tinha feito o profeta Amós: “Escutai bem, vós que espezinhais o pobre e quereis eliminar os humildes da terra. Vós dizeis: «Faremos a medida mais pequena, aumentaremos o preço, arranjaremos balanças falsas. Compraremos os necessitados por dinheiro e os indigentes por um par de sandálias. Venderemos até as cascas do nosso trigo». 

       O Senhor nunca esquecerá as nossas obras. Comprar o pobre, alterar os pesos, aumentar injustamente o preço, impedir o acesso aos bens essenciais, é pecado que brada aos céus.


Textos para a Eucaristia (ano C): Am 8,4-7; 1 Tim 2,1-8; Lc 16,1-13.


mais sobre mim
Relógio
Setembro 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
11
12
13

16
17
18
20
21

24
25
28



Visitantes
comentários recentes
O mundo atual precisa do testemunho cristão. Livro...
Saudações fraternas. Claro que sim. Ao longo da Su...
Caríssimo, no texto que comento, anuncia a experiê...
Sofres do síndrome de última bolacha do pacote
Quero agradecer por essa linda história e texto po...
Gostei da trilogia.http://numadeletra.com/1q84-liv...
Olá!Caí neste comentário acerca deste último livro...
http://numadeletra.com/41791.html
também gostaria de o conhecer pessoalmente acho in...
Bom dia. Alguns elementos para o ofertório estão v...
Bom dia. Sou catequista na minha paróquia e estamo...
Mais uma vez, muitos parabéns por nos dar este bel...
Eu já sabia que não devemos menosprezar nunca o po...
Bom dia. Eu é que agradeço, pela presença, pelo in...
Bom dia Padre Manuel! É sempre com muito agrado qu...
arquivos
Pinheiros - Semana Santa
- 29 março / 1 de abril de 2013 -
Tabuaço - Semana Santa
- 24 a 31 de abril de 2013 -
Estrada de Jericó
pesquisar neste blog
 
Velho - Mafalda Veiga
Festa de Santa Eufémia
Pinheiros, 16/17 de setembro de 2012
Primeira Comunhão 2013
Tabuaço, 2 de junho
Papa Bento XVI
Profissão de Fé 2013
Tabuaço, 19 de maio
subscrever feeds
blogs SAPO